Aguiar da Beira

"Piloto" de Arouca suspeito de matança

"Piloto" de Arouca suspeito de matança

Um militar da GNR morto, mais dois feridos e um casal de civis baleado, tendo o homem morrido. Terá sido tudo obra de um único suspeito que continua a ser procurado.

O homem terá deixado a identificação no local do crime, o que levou as autoridades a lançarem um alerta nacional para a sua identificação e captura. Logo foi lançada a caça ao principal suspeito, tido como sendo Pedro João Dias, de 44 anos, de Arouca.

Tudo começou quando Carlos Caetano, de 29 anos, e António Ferreira, de 41 anos, militares da GNR de Aguiar da Beira, patrulhavam a cercania de um hotel em construção, na Quinta da Lameira.

Os militares, ao verem aproximar-se uma carrinha Toyota azul que levantou suspeita, mandaram-na parar. Segundo o JN apurou, o condutor saiu da viatura e disparou imediatamente sobre o guarda Carlos Caetano, que morreu logo ali com um tiro na cabeça.

Ato contínuo, o suspeito de homicídio obrigou o outro guarda a transportar o colega para a bagageira do carro-patrulha e a conduzir a viatura até ao parque industrial da vila. Nesse local, onde veio a ser encontrado horas mais tarde, o agente sobrevivente foi algemado, baleado com um tiro no pescoço e deixado prostrado no chão. Este militar da GNR encontra-se internado no hospital, com um quadro clínico considerado estável.

PUB

De seguida, o homicida assumiu o comando do carro da GNR, voltou ao local onde abateu Carlos Caetano e aí abandonou a viatura policial. Foi nessa altura que se dirigiu para a estrada nacional que liga Aguiar da Beira e Viseu (EN 229), onde passava um casal com cerca de 25 anos a caminho de uma consulta em Coimbra. Baleou o casal, a quem roubou o carro para fugir.

"Enquanto procurávamos provas no local onde foi encontrado o militar na bagageira do carro de patrulha, encontramos na mesma zona dois civis. O homem estava morto e a mulher gravemente ferida", explicou o oficial de relações públicas da GNR da Guarda, major Pedro Gonçalves. A mulher foi transportada para o centro hospitalar Tondela-Viseu, onde se encontra com prognóstico reservado nos Cuidados Intensivos.

Durante o percurso de fuga, o presumível homicida trocou o carro roubado através de carjacking por uma pick-up que foi encontrada pela Polícia em Candal, S. Pedro do Sul, onde foi atingido a tiro nas pernas outro militar da GNR, que já teve alta hospitalar. Ainda antes, o suspeito já havia sido mandado parar em S. Pedro do Sul, ordem à qual não obedeceu, tendo sido disparados tiros.

Já ao final do dia, com o suspeito a monte, a GNR emitiu um comunicado a apelar aos habitantes de Candal, Póvoa das Leiras e Coelheira, na serra da Freita, para se manterem nas residências, em especial durante o período noturno.

Por razões de segurança, a força policial recomendou a não utilização da Estrada Nacional 326, que faz a ligação entre as localidade de S. Pedro do Sul e Arouca.

Esta quarta-feira de manhã, a GNR considerou haver condições para as pessoas daquelas aldeias retomaram a vida normal e informou que a Estrada Nacional 326 está aberta ao trânsito.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG