Santiago do Cacém

PJ investiga morte de mulher em poço seco e profundo

PJ investiga morte de mulher em poço seco e profundo

O corpo de uma mulher, com cerca de 60 anos, foi encontrado, esta segunda-feira de manhã, no fundo de um poço do quintal da própria casa, em Ermidas do Sado, em Santiago do Cacém, no distrito de Setúbal. A GNR foi chamada ao local e, por entender que havia "suspeitas de homicídio", passou o caso à Polícia Judiciária.

Já ao final do dia, depois de o cadáver da vítima já ter sido resgatado do poço, que estava seco e tinha cerca de 15 metros de profundidade, fonte da PJ de Setúbal afastou indícios da prática de homicídio, embora ressalvando que a investigação vai prosseguir.

Os contornos do caso causaram estranheza na rua onde a vítima morava com o marido e um cunhado. Ao JN, chegaram relatos de que o marido da vítima tinha-a matado e confessara o crime ao irmão. Depois, teria apanhado um táxi para Grândola, onde tinha marcada uma consulta de fisioterapia, e contara à motorista que tinha assassinado a mulher e tencionava suicidar-se.

PUB

No entanto, a Polícia Judiciária de Setúbal ainda não fez qualquer detenção.

Relações difíceis

A vítima residia com o marido e um cunhado na Rua 39, de Ermidas do Sado. Entre a vizinhança, os três eram tidos como problemáticos e com problemas psicológicos, que fazia com que os vizinhos se afastassem deles. O casal tem um filho, que não vivia na mesma casa.

O alerta para as autoridades foi dado por volta das 10 horas. O cunhado da vítima terá pedido ajuda a vizinhos, mas quem terá ligado para o 112 foi um dos operários que andavam ali numa obra.

Ao local acorreram a GNR e os Bombeiros de Santiago do Cacém, que, já com a PJ presente, haveriam de retirar o cadáver do poço. Tal só ocorreu perto das 18 horas, com recurso a material de regaste em grande ângulo.

Depois daquele resgate, os bombeiros também transportaram o cadáver da mulher para a morgue do Hospital do Litoral Alentejano, onde se espera que a autópsia possa fornecer elementos úteis para a investigação criminal.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG