PJ Militar

Força Aérea alvo de buscas por suspeitas de corrupção em caçadas ao javali

Força Aérea alvo de buscas por suspeitas de corrupção em caçadas ao javali

A Polícia Judiciária Militar realizou buscas em instalações da Força Aérea Portuguesa (FAP), para apurar as circunstâncias em que foram feitas várias caçadas no Campo de Tiro de Alcochete, com a alegada participação de oficiais de altas patentes e empresários com contratos celebrados com as forças armadas.

As buscas foram realizadas em junho e confirmadas pela FAP, esta quinta-feira, após notícia da CNN sobre a matéria. Invocando o segredo de justiça, o comunicado emitido pela FAP não diz nada sobre quem participou nas caçadas, a que chama "ações de correção de densidade de espécies cinegéticas, exclusivamente javalis".

Segundo explica a Força Aérea, aquelas caçadas tiveram "caráter excecional" e foram feitas para "prevenir e minimizar danos na fauna e perturbação na atividade operacional". De resto, terão sido autorizadas.

"Foram submetidos ao Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) diversos pedidos, tendo sempre sido autorizados, o que permitiu a realização de ações de correção de densidade de javalis, sempre comunicadas às entidades competentes e garantido o cumprimento do estipulado na legislação aplicável", garante a FAP, acrescentando que também foi respeitada a Norma de Execução Permanente do Campo de Tiro - ADM002, um documento interno, de 2012, que estabelece os procedimentos e responsabilidades nas ações de controlo cinegético.

Segundo adiantou a CNN, a investigação visa eventuais de crimes de corrupção, entre outros. À Lusa, o porta-voz da Polícia Judiciária Militar (PJM), Marco Ermidas, não especificou os tipos de crimes em causa, informando, ainda assim, que estão a ser investigados, "há mais de seis meses", "militares e não militares".

O inquérito, a cargo do Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa, que se fez coadjuvar pela PJM, resultará de uma denúncia interna que aponta, designadamente, para o "favorecimento" de determinados empresários, "convidados para caçadas" e "acompanhados de altas patentes militares, nomeadamente generais".

As caçadas têm sido feitas em plena reserva militar do Campo de Tiro de Alcochete, que está sob tutela do Estado-Maior da Força Aérea.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG