Football Leaks

PJ sugeriu à Doyen que interpelasse PGR para acelerar investigação a Rui Pinto

PJ sugeriu à Doyen que interpelasse PGR para acelerar investigação a Rui Pinto

Um inspetor da Polícia Judiciária (PJ) sugeriu, em 2015, ao assessor do ex-diretor-geral da Doyen Sports que fosse enviado um requerimento à então Procuradora-Geral da República (PGR), Joana Marques Vidal, de modo a acelerar a investigação ao autor da tentativa de extorsão de que o fundo de investimento teria sido alvo.

O suspeito ter-se-á então apresentado a Nélio Lucas, diretor-geral da Doyen Sports entre 2011 e 2017, como Artem Lobuzov e seria, apurariam mais tarde as autoridades, Rui Pinto, atualmente em julgamento em Lisboa.

O hacker autointitulado denunciante terá exigido entre 500 mil e um milhão de euros para parar a publicação de documentação relacionada com aquele fundo no Football Leaks, do qual é o criador assumido. Aníbal Pinto, advogado, está acusado de ter intermediado a negociação, abortada antes de existir qualquer pagamento.

A troca de e-mails ocorrida no final de novembro de 2015 entre Rogério Bravo, inspetor da PJ, e Pedro Henriques - advogado de profissão mas que não trabalharia nessa condição para Lucas - foi tornada pública esta quarta-feira em tribunal e gerou estranheza nos magistrados que estão a julgar Rui Pinto, de 32 anos, e Aníbal Pinto, de 59.

Sem "explicação"

Além de considerar que o procedimento - que incluiu o envio pelo inspetor de um rascunho do requerimento a elaborar - "não é normal", a juíza-presidente, Margarida Alves, questionou Henriques, inquirido como testemunha, sobre o porquê de Bravo o tratar por "tu". Pouco antes, o advogado assegurara que só conhecera o inspetor aquando da apresentação da queixa na PJ, em outubro de 2015.

PUB

"Não sei se é a forma de ele tratar as pessoas. Não tinha qualquer relação com ele. Não o conhecia", insistiu Henriques. O assessor de Nélio Lucas, remunerado pela Doyen Sports, garantiu não ter igualmente"explicação" para, nessa correspondência, Bravo ter aludido a um problema que lhe teria sido apresentado por alguém ligado à Doyen Sports.

"Pode ter sido o Nélio", retorquiu a testemunha, frisando que não se recorda de ter colocado qualquer questão ao inspetor. "Só pode ter sido porque o processo não tinha avançado", equacionou.

A troca de mensagens eletrónicas ocorreu já depois de ter sido finalizada a negociação, sem sucesso, com Rui Pinto e Aníbal Pinto. Na sessão desta quarta-feira, não ficou claro se o requerimento, que Henriques considerou que seria "absolutamente inútil", chegou mesmo a ser remetido a Marques Vidal.

Desconhecia vigilância da PJ

Num depoimento em que raramente deu respostas diretas, o advogado deu igualmente a entender que não sabia, a priori, que o seu encontro, em outubro de 2015, com Lucas e Aníbal Pinto na área de serviço de Oeiras da A5 iria ser vigiado pela PJ.

"Foi o Nélio que decidiu o local do encontro", salientou, acrescentando que não comunicou a sua ocorrência às autoridades. Na ocasião, Henriques terá também questionado Lucas sobre se essa reunião seria segura. "Não te preocupes com a segurança", terá respondido o amigo.

Aníbal Pinto, que responde apenas por tentativa de extorsão, sustentara, anteriormente, que o encontro se tratou de uma "armadilha" e que, à data, julgou estar a negociar somente um contrato de prestação de serviços entre o seu cliente, Rui Pinto, então referido como Artem Lobuzov, e a Doyen Sports.

Rui Pinto, detido em janeiro de 2019, está acusado, no total, de 90 crimes, incluindo 68 de acesso indevido. Além da Doyen Sports, terão sido também lesadas, entre 2015 e 2019, a Procuradoria-Geral da República, a Federação Portuguesa de Futebol, o Sporting Clube de Portugal, e a sociedade de advogados PLMJ.

No primeiro dia do julgamento, a 4 de setembro de 2020, o gaiense garantiu que nunca recebeu "qualquer verba" e que fez tudo por "um bem maior".

A inquirição de Henriques continua na quinta-feira, com as questões dos defensores de Rui Pinto e Aníbal Pinto. Será a última sessão do julgamento em 2020. Na primeira sessão de 2021, deverá ser ouvido, precisamente, Rogério Bravo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG