Investigação

"Precisamos da verdade para ter paz", reagem pais de Madeleine McCann

"Precisamos da verdade para ter paz", reagem pais de Madeleine McCann

Os pais de Madeleine McCann manifestaram esta quarta-feira a esperança de encontrar a filha desaparecida em Portugal, "descobrir a verdade e levar os responsáveis à justiça", na sequência de um apelo público da polícia britânica sobre um novo suspeito na investigação.

"Tudo o que sempre quisemos foi encontrá-la, descobrir a verdade e levar os responsáveis à justiça. Nunca deixaremos de ter esperança de encontrar Madeleine viva, mas seja qual for o resultado, precisamos saber, pois precisamos ter paz", referiram Kate e Gerry McCann, num depoimento publicado hoje.

O casal agradece às polícias envolvidas na investigação, que incluem para além da britânica Metropolitan Police a alemã Bundeskriminalamt (BKA) e a portuguesa Polícia Judiciária.

"Gostaríamos de agradecer ao público em geral pelo apoio contínuo e incentivar qualquer pessoa que tenha informações diretamente relacionadas ao apelo a entrar em contacto com a polícia", concluíram.

A polícia britânica, em simultâneo com a polícia alemã, lançou hoje um novo apelo público de informação sobre um homem alemão, suspeito de envolvimento no desaparecimento de Madeleine McCann em Portugal em 2007.

O homem de 43 anos, atualmente a cumprir pena de prisão na Alemanha mas cuja identidade não foi revelada, terá vivido no Algarve durante períodos entre 1995 e 2007 e registos telefónicos colocam-no na área da Praia da Luz no dia em a criança inglesa desapareceu.

A Metropolitan Police, que está a investigar o desaparecimento numa investigação designada por Operação Grange, divulgou imagens de uma carrinha caravana branca de marca Volkswagen que o suspeito usou para viver e também um automóvel Jaguar de que foi proprietário.

A polícia tornou também públicos dois números de telemóvel, um usado pelo suspeito e que terá recebido uma chamada entre as 19:32 e 20:02 de 03 de maio na zona da Praia da Luz, e outro que iniciou o telefonema e cujo autor poderá ser uma "testemunha altamente significativa".

O apelo público foi feito também hoje pela BKA na estação de televisão ZDF e o objetivo é conseguir mais informação para provar ou descartar o envolvimento do suspeito.

"Embora este homem seja suspeito, mantemos uma mente aberta quanto ao seu envolvimento e esta continua sendo uma investigação sobre pessoas desaparecidas. O nosso trabalho como detetives é seguir as pistas, manter a mente aberta e estabelecer o que aconteceu naquele dia em maio de 2007", disse hoje o responsável pela investigação, o Inspetor Chefe Mark Cranwell.

Madeleine McCann desapareceu poucos dias antes de fazer quatro anos, a 03 de maio de 2007, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

A polícia britânica começou por formar uma equipa em 2011 para rever toda a informação disponível, abrindo um inquérito formal no ano seguinte, tendo até agora despendido perto de 12 milhões de libras (14 milhões de euros).

A Polícia Judiciária (PJ) reabriu a investigação em 2013, depois de o caso ter sido arquivado pela Procuradoria Geral da República em 2008, ilibando os três arguidos, os pais de Madeleine, Kate e Gerry McCann, e um outro britânico, Robert Murat.