Braga

Proibido de se aproximar da casa que incendiou

Proibido de se aproximar da casa que incendiou

Um sexagenário que ateou fogo à casa onde residia, destruída parcialmente pelas chamas, nos arredores da cidade de Braga, foi esta quinta-feira proibido de aproximar-se daquela residência e entrar em qualquer localidade da freguesia onde o caso ocorreu, em Esporões.

Joaquim Martins Barbosa, de 68 anos, terá que apresentar-se todas as semanas no posto policial da área da sua futura residência, que ainda não possui, uma vez que se encontra desempregado e sem rendimentos, segundo referiu ao juiz de instrução criminal de Braga.

Indiciado por um crime de incêndio, Joaquim Barbosa é suspeito de ter ateado, na noite de 30 para 31 de janeiro, o incêndio à divisão da casa familiar onde residia, situada na Travessa Além do Rio, da freguesia de Esporões, no concelho de Braga. Terá atirado um cigarro sobre verniz da madeira, que é produto acelerante para despoletar incêndios, iniciando-se um fogo que consumiu o telhado e o sótão onde o próprio morava até então.

A motivação do alegado fogo posto terá sido o facto de a dona da casa, a sua irmã, ter dito e confirmado mais tarde que teria de deixar aquela moradia, uma vez que a tinha arrendado, tendo os factos sido cometidos na véspera do prazo limite para abandonar a casa. Sem ter onde morar, o homem irá ficar esta noite em casa de uma prima, em Figueiredo, e depois irá morar no Centro de Acolhimento Doutor Francisco Alvim, da Delegação de Braga da Cruz Vermelha Portuguesa, situada na freguesia de Nogueira.