Novos distúrbios

PSP atacada com pedras, garrafas, ácido e petardos em Oeiras

PSP atacada com pedras, garrafas, ácido e petardos em Oeiras

Pela segunda noite consecutiva, registaram-se distúrbios no Bairro dos Navegantes, em Oeiras. Uma patrulha da PSP foi atacada com pedras, garrafas, ácido e petardos.

Ao que o JN conseguiu apurar, os agentes estavam a efetuar uma ação normal de patrulhamento no Bairro dos Navegantes, na noite de ontem, quando foram vítimas do arremesso de pedras, garrafas, petardos e até ácido muriático por parte de moradores.

Foi necessária a chamada de reforços para garantir a segurança e repor a normalidade. Ao contrário da noite, anterior, desta vez não se registaram detenções.

Recorde-se que, na véspera, a PSP acorreu a ajuntamento ilegal com cerca de 30 pessoas nas ruas do bairro. O alerta tinha sido dado por moradores, tanto mais que um dos elementos do grupo passou largos minutos a gritar em plena rua, prejudicando o sossego de quem tentava dormir.

Ao local chegaram, em primeiro lugar, dois agentes que foram agredidos logo que abordaram o grupo. Mesmo assim, ainda tentaram deter um dos indivíduos, mas foram, de imediato, atacados pelos restantes convivas, muitos dos quais familiares do homem que estava prestes a ser detido. Cerca de 30 pessoas, refere fonte do Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, impediram a detenção, retirando o suspeito da proximidade dos agentes.

Nos instantes seguintes, chegou ao Bairro dos Navegadores o reforço policial, composto por várias patrulhas e Equipas de Intervenção Rápida. Os polícias tentaram, então, controlar a situação e proteger os colegas que tinham acabado de ser agredidos. No entanto, também eles foram atacados com o arremesso de pedras, garrafas e troncos de madeira. O cenário de violência obrigou a PSP a disparar para o ar bagos de borracha através da shotgun e só com recurso a esta arma foi possível deter três homens e dispersar a grupo.

PUB

Esta madrugada, voltaram a haver confrontos entre moradores e polícia, mas não se registaram detenções.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG