Pandemia

PSP prepara mobilização de polícias pré-aposentados

PSP prepara mobilização de polícias pré-aposentados

Direção Nacional da PSP pretende mais elementos para fiscalizar cumprimentos das normas impostas pelo Estado de Emergência e também vai colocar agentes do serviço administrativo a desempenhar funções operacionais.

Os polícias na pré-aposentação poderão ser chamados a qualquer momento a regressar ao serviço operacional. Um despacho da Direção Nacional da PSP determina que estes profissionais, que aguardam a ida para a reforma, sejam informados rapidamente da possibilidade de serem mobilizados. No documento enviado, nesta quarta-feira, ao efetivo policial, o diretor nacional da PSP, Magina da Silva, proíbe o gozo de férias e ordena que os polícias a realizar serviço administrativo nos comandos sejam colocados a efetuar atividade operacional. Estas medidas visam manter a capacidade operacional, nomeadamente na fiscalização do cumprimento das restrições impostas pelo Estado de Emergência.

É no último dos 15 pontos que Magina da Silva determina que os "polícias na situação de pré-aposentação sejam contactados pelas unidades de polícia/estabelecimentos de ensino e Serviços Sociais, de onde transitaram para essa situação", e sejam informados "da possibilidade de serem mobilizados para a prestação de serviço efetivo". O despacho entra em vigor de forma imediata e também impede "todo o pessoal", inclusive polícias e pessoal técnico de apoio à atividade policial, de gozar férias. Esta e as outras medidas são justificadas com o "agravamento da crise pandémica, que exige um esforço acrescido" à PSP.

Por outro lado, o diretor nacional pretende também manter e incrementar "a capacidade operacional na fiscalização das restrições impostas pelo Estado de Emergência" e, com esse objetivo, vai dar "prioridade à ação fiscalizadora do cumprimento" das regras de confinamento em vigor "relativamente a outras ocorrências policiais em que, de forma inequívoca, não estejam em risco a integridade física ou a vida das pessoas". Para ter mais agentes disponíveis para esta medida, a PSP vai colocar os polícias atualmente dedicados ao serviço administrativo a realizar atividade operacional. Ficam de fora, para já, os elementos a efetuar apoio à atividade operacional na Direção Nacional, Unidade Especial de Polícia, estabelecimentos de ensino e Serviços Sociais. "Estão, por ora, excecionados e constituem-se como reserva para ulterior emprego", explica Magina da Silva.

Também devido à pandemia os agentes estão proibidos de permanecer nas instalações policiais se não estiverem de serviço e estão suspensos todos os eventos, comemorações e ações de formação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG