Espanha

Cinco portugueses detidos por tráfico de pessoas

Cinco portugueses detidos por tráfico de pessoas

Quatro portugueses foram detidos por suspeita de tráfico de seres humanos pela Guarda Civil espanhola, que, em colaboração com a Polícia Judiciária portuguesa, desmantelou uma rede criminosa. Outro português foi detido em solo nacional.

Em comunicado divulgado esta sexta-feira, a Guarda Civil espanhola indica que foram identificadas cerca de 30 vítimas de origem portuguesa, entre elas uma menor de 16 anos. Eram sobretudo pessoas que se encontravam a fazer trabalhos agrícolas em Navarra e La Rioja e que estavam em condições precárias.

As vítimas eram captadas em Portugal, em contextos sociais muito vulneráveis, sendo oferecidas condições de trabalho aparentemente atrativas.

A PJ, também em comunicado, indicou que a operação, denominada por "LUSAR", teve lugar no passado dia 16 de outubro.

"Foram realizadas diversas buscas domiciliárias e não domiciliárias em Portugal, nas zonas de Sabugal, Belmonte, Covilhã e Santa Comba Dão, e em Espanha, na zona de Segóvia, durante as quais, através de mandados de detenção europeus e nacionais emitidos pelo DIAP de Coimbra, foram detidos cinco indivíduos de nacionalidade portuguesa, um em Portugal e quatro em Espanha", explicou a Judiciária.

Em Espanha, as vítimas "não tinham descanso adequado, não recebiam qualquer remuneração" e eram sujeitas "a uma alimentação e condições desumanas, ali permanecendo à mercê daquela organização criminosa, que recebia elevados proventos pelos trabalhos das vítimas".

Uma das vítimas detetadas no âmbito desta investigação era um homem português que estava em Espanha há dez anos e que terá sido "vendido" a um dos detidos, segundo o comunicado da Guarda Civil.

Um dos portugueses detidos, conhecido como "Patrono", geria a verba a pagar aos trabalhadores, descontando a quantia que próprio entendia como parte do alojamento e da alimentação.

As condições de alojamento são descritas pela Guarda Civil como "totalmente insalubres e anti-higiénicas". Segundo as vítimas, num mesmo quarto chegavam a dormir mais de 25 pessoas, às quais o "Patrono" cobrava 20 euros a cada por comida e alojamento.

Na operação foram apreendidas duas caçadeiras, munições, objetos vários e documentos correlacionados com os crimes praticados.

O suspeito detido em Portugal ficou em prisão domiciliária, com vigilância eletrónica, e sujeito a termo de identidade e residência, após primeiro interrogatório judicial.

Os quatro detidos em Espanha aguardam extradição para Portugal, onde serão presentes às autoridades judiciárias da Comarca de Coimbra, tendo em vista a aplicação das medidas de coação.