Odivelas

Queixas de maus-tratos a crianças em creche de Odivelas após denúncia anónima

Queixas de maus-tratos a crianças em creche de Odivelas após denúncia anónima

Várias mães de crianças da creche "O Ruca", na Pontinha, em Odivelas, dirigiram-se na terça-feira à polícia para apresentarem queixa, após uma denúncia anónima por suspeitas de maus-tratos físicos e verbais a crianças, alegadamente praticados pela diretora e duas funcionárias da creche. As três já foram identificadas pela PSP, confirmou o Comando Metropolitano da PSP de Lisboa.

A PSP tem fotografias e vídeos que comprovam os maus-tratos, conteúdos que já enviou para o Ministério Público. O JN contactou a creche, que continua aberta, mas ninguém atendeu.

Nas imagens divulgadas pela TVI é possível ver crianças a dormirem na casa de banho, mas a denúncia contempla ainda insultos racistas e agressões físicas. Segundo declarações de uma ex-funcionária a este órgão de comunicação, uma criança de "três ou quatro anos não quis comer", fazendo com que as funcionárias "misturassem a sopa com a comida" e obrigassem a criança a permanecer na mesa.

PUB

"O menino comeu e dormiu em cima da comida. Estava debruçado em cima da mesa, a dormir em cima do prato", explicou. De acordo com a mesma fonte, a diretora do infantário terá dito a uma criança de menos de cinco anos: "Come ou rebento-te agora. Come, vou partir-te a boca".

Durante uma ocasião, em que uma criança pequena também não quis comer, o castigo foi ficar dentro de uma casa de banho às escuras. "Tirou-o da mesa, meteu-o na casa de banho. O miúdo fez xixi e ainda teve de levar porque fez xixi nas cuecas", contou.

Uma outra criança foi obrigada a dormir na casa de banho porque "acorda muitas vezes e acorda os colegas". Já um menino, que mordeu um colega, "levou três chapadas na boca".

Segundo a ex-funcionária, há ainda agressões verbais de índole racista. "Com os africanos é preta, preta burra. E se [a criança] chamar a mãe, [dizem-lhe que] a mãe está em cima de um preto", afirmou.

O infantário tem duas educadoras e duas auxiliares para cerca de 30 crianças, entre os 1 e 5 anos, e está em funcionamento há cerca de 20 anos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG