Santo Tirso

Relação do Porto valida absolvição de homem acusado de maus-tratos aos avós

Relação do Porto valida absolvição de homem acusado de maus-tratos aos avós

O Tribunal da Relação do Porto validou a decisão de juízes de Matosinhos que absolveram um homem de Santo Tirso da acusação de violência doméstica sobre os avós, mesmo dando como provado que os injuriou e agrediu um deles.

"A decisão afigura-se-nos correta", concluiu o Tribunal da Relação do Porto, em acórdão consultado pela agência Lusa.

Em causa estão maus-tratos a um casal de 76 e 78 anos de idade, consumados pelo neto, na habitação comum, entre junho de 2017 e setembro de 2020, sendo que em julgamento ficou provado que o arguido insultou "mais do que uma vez" os ofendidos e que empurrou o avô contra um móvel, causando-lhe traumatismos que obrigaram a tratamento hospitalar.

O arguido, dependente alcoólico, já tinha sido condenado por violência doméstica, mas, desta feita, foi absolvido de nova acusação pelo mesmo crime por um coletivo de juízes de Matosinhos, o que levou o Ministério Público a avançar com um recurso.

A alínea d) do artigo 152.º do Código Penal estende a penalização por violência doméstica a quem, "de modo reiterado ou não, infligir maus-tratos físicos ou psíquicos, incluindo castigos corporais, privações da liberdade e ofensas sexuais" a pessoa "particularmente indefesa, nomeadamente em razão da idade, deficiência, doença, gravidez ou dependência económica, que com ele coabite".

Porém, o Tribunal da Relação, ao manter a absolvição decidida em primeira instância, defendeu que "não é possível fazer equiparar o conceito de pessoa idosa ao de pessoa particularmente indefesa (...) como pretende o recorrente" Ministério Público.

PUB

A circunstância de as vítimas das agressões serem pessoas idosas "só por si, sem mais, poderia, quando muito, ter relevo para a determinação da medida concreta da pena, face aos tipos de crime que a condutas agressoras pudessem ter preenchido", observou o tribunal de recurso.

No caso concreto, tratar-se-ia não do crime de violência doméstica, mas "dos de injúria (...) e de ofensa à integridade física simples, crimes estes cuja natureza particular e semipública impediu, com base neles, a continuação do procedimento criminal contra o arguido, nos termos e fundamentos constantes do acórdão recorrido, cuja decisão se nos afigura correta", afirma o Tribunal da Relação.

Ainda em defesa da decisão de primeira instância, a Relação acrescenta que "nenhum facto desponta, tivesse sido ele alegado na própria acusação ou vislumbrado no decurso do processo (...), que pudesse obrigar o tribunal 'a quo' a conhecê-lo. Nem foram alegados, nem oficiosamente vislumbrados, factos que nesse sentido justificassem a produção de novos meios de prova".

Mas, mesmo que existissem, o recorrente não os requereu em tempo útil, critica o acórdão dos juízes desembargadores do Porto.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG