Viana do Castelo

Revolta em tribunal com absolvição de um dos acusados da morte de pescador

Revolta em tribunal com absolvição de um dos acusados da morte de pescador

A absolvição de Carlos Ferraz, que estava acusado da coautoria do homicídio, à facada, de um pescador de Viana do Castelo, revoltou os familiares da vítima, Vítor Coimbra, que se manifestaram em tribunal.

A condenação de Fábio Araújo, de 28 anos, pela morte de Vítor Coimbra, a 14 de anos de prisão, não foi suficiente para acalmar os familiares da vítima, um pescador morto "por engano" ao tentar acalmar uma altercação entre um amigo e os dois homens acusados de o matar.

O Tribunal de Viana do Castelo absolveu um dos arguidos, Carlos Ferraz, de 33 anos, e condenou o autor das facadas, a 14 anos de prisão, apesar de não considerar como provada a intenção de matar.

Jorge da Costa, advogado de Fábio Araújo, disse ao JN que ainda vai ler o acórdão, mas que pondera recorrer da pena do seu constituinte.

Em causa estava o julgamento do homicídio de Vítor Coimbra, em dezembro de 2018, em que eram arguidos Fábio Araújo, natural de Santo Tirso e residente em Fradelos, Famalicão, e Carlos Ferraz, natural de Coimbra com residência em Campos, Vila Nova de Cerveira.

Segundo a acusação do Ministério Público, os dois dirigiram-se, na companhia das namoradas, a casa de Ilídio Rodrigues, ex-companheiro da então namorada de Fábio, "com a finalidade de lhe dar um corretivo". Estava em causa a alegada perseguição de Ilídio à rapariga e depois também aos arguidos com mensagens no telemóvel e redes sociais, com ameaças, por não se conformar com o fim do relacionamento.

Fábio levou uma faca de cozinha com 34 centímetros e após tocar à campainha, juntamente com Carlos. Os dois envolveram-se em confrontos com Ilídio e Vítor Coimbra, que naquela altura se encontrava em caso do amigo. O pescador foi atingido nas costas por uma facada e morreu uma hora depois no hospital de Viana.