Justiça

Ricardo Salgado já pode sair do país

Ricardo Salgado já pode sair do país

A medida de coação que impedia o ex-banqueiro Ricardo Salgado de viajar para o estrangeiro sem a autorização do juiz Carlos Alexandre caducou, na última segunda-feira, porque ainda não foi deduzida acusação pelo Ministério Público.

Questionado sobre esta notícia, avançada na edição impressa do Diário de Notícias desta terça-feira, um assessor de Ricardo Salgado respondeu, ao JN, que não faria quaisquer comentários.

Suspeito de seis tipos de crimes, Ricardo Salgado continua sujeito à medida de coação que é aplicada a qualquer arguido, termo de identidade e residência, e que o obriga a comunicar ao juiz de instrução criminal apenas as ausências de casa com duração superior a cinco dias.

Mas, além do TIR, o líder do antigo Banco Espírito Santo, a quem chamavam o "DDT - Dono Disto Tudo", está ainda preso a uma caução de 1,5 milhões de euros.

A caução está depositada à ordem não só da investigação do Ministério Público instaurada na sequência do colapso do BES, em 2014, mas também no caso "Monte Branco". Neste inquérito, em que Salgado também é arguido e onde também não foi deduzida qualquer acusação, o Ministério Público investiga uma rede de branqueamento de capitais com fortes ligações à Suíça.

No caso do BES, Salgado é suspeito de crimes de burla qualificada, falsificação de documentos, falsificação informática, fraude fiscal qualificada, corrupção no setor privado e branqueamento de capitais.

Além destes inquéritos do foro criminal, o ex-banqueiro é ainda alvo de processos de contraordenação instaurados pelo Banco de Portugal.