Hacker

Rui Pinto nomeado para prémio que distingue jornalistas e denunciantes

Rui Pinto nomeado para prémio que distingue jornalistas e denunciantes

O hacker gaiense Rui Pinto é um dos nomeados para o segundo prémio anual GUE/NGL para "Jornalistas, Denunciantes e Defensores do Direito à Informação", segundo a lista final divulgada na quinta-feira.

O prémio é dedicado a "indivíduos ou grupos que foram intimidados e/ou perseguidos por descobrir a verdade e denunciá-la ao público". O vencedor será anunciado no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, no dia 16 de abril, e além do galardão receberá ainda cinco mil euros pelo trabalho desenvolvido.

Além de Rui Pinto, a lista inclui nomeados como o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, a denunciante sobre o esquema de vistos gold do Ministério da Justiça búlgaro Katya Mateva, a ex-vice-presidente e denunciante dos lapsos de segurança alimentar da Nestlé, Yasmine Motarjemi, o autor e denunciante sobre corrupção e irregularidades no exército espanhol Luis Gonzalo Segura, e o denunciante do Banco Danske Howard Wilkinson.

O primeiro interrogatório judicial a Rui Pinto, colaborador do "Football Leaks", vai começar esta sexta-feira e vai ser conduzido pela juíza de instrução criminal Maria Antónia Andrade, disse fonte judicial.

O alegado pirata informático que chegou na quinta-feira a Portugal para responder num inquérito envolvendo o fundo de investimento ligado ao futebol Doyen Sports chegou, esta sexta-feira, ao Campus da Justiça, cerca das 15.40 horas, depois de ter aguardado, no estabelecimento prisional anexo à Polícia Judiciária, a transferência do processo para o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e, depois, para o Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa.

Rui Pinto está a ser investigado por tentativa de extorsão ao fundo de investimento Doyen, em 2015. Nesse ano, quando começaram a surgir na Internet as primeiras notícias sobre contratos de jogadores, nomeadamente do Sporting, do F. C. Porto e do Benfica, o sistema informático do fundo Doyen foi um dos pirateados. A empresa recebeu um e-mail a pedir "uma oferta generosa" de pelo menos 500 mil euros para travar a divulgação de segredos. É também suspeito de ser o autor material dos roubos dos e-mails do Benfica.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG