O Jogo ao Vivo

Coimbra

Segurança Social denunciou funcionária que inventou 100 gravidezes

Segurança Social denunciou funcionária que inventou 100 gravidezes

Mecanismo de proteção detetou fraude que lesou Estado em mais de meio milhão de euros. Funcionária presa pela Polícia Judiciária enfrenta processo disciplinar.

O Instituto da Segurança Social (ISS) assegura que o esquema engendrado por uma funcionária, e que lesou o Estado em mais de meio milhão de euros, "foi detetado em janeiro de 2018, através dos seus mecanismos de controlo interno, no âmbito do seu Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas", após "uma situação suspeita de eventual burla com prestações familiares".

O JN revelou, na edição deste sábado, que uma funcionária da Segurança Social de Coimbra inventou cerca de 100 gravidezes para se apropriar do "abono de família pré-natal" atribuído às supostas grávidas. Com o esquema, a suspeita ludibriou a maioria dos centros distritais da Segurança Social do país e, entre 2014 e 2018, deu um desfalque ao Estado de mais de meio milhão de euros.

"Tendo em conta as suspeitas e os factos revelados pela averiguação interna do Instituto, e tal como é habitual nestas circunstâncias, o ISS de imediato contactou a Polícia Judiciária, tendo denunciado a situação e colaborado com esta entidade desde a primeira hora", lê-se num comunicado enviado ao JN.

O ISS acrescenta que a funcionária, que foi recentemente detida pela Polícia Judiciária, "enfrenta, para além das potenciais consequências criminais, um processo disciplinar interno que está perto de ser concluído". E foi transferida durante alguns meses, enquanto decorriam as investigações, para uma função sem acesso aos sistemas de informação e sempre em constante monitorização".

Ainda segundo o ISS, "o Plano de Prevenção de Riscos de Corrupção e Infrações Conexas, que está em execução permanente, envolve sistemáticos controlos internos e, sempre que necessário, articulação estreita com as autoridades policiais". "Neste caso em concreto, o alerta desencadeado por uma ação de verificação de conformidades nas prestações familiares permitiu detetar e identificar a funcionária em questão, tendo sido de imediato, e na data acima mencionada, o caso entregue à Polícia Judiciária", reforça o comunicado.