Crime

Sequestraram e obrigaram raparigas a despirem-se por julgar que tinham roubado droga 

Sequestraram e obrigaram raparigas a despirem-se por julgar que tinham roubado droga 

A Polícia Judiciária de Setúbal deteve dois homens, de 32 e 34 anos, por terem sequestrado, agredido e obrigado quatro raparigas com cerca de 20 anos a despirem-se por julgarem que estas lhes tinham roubado produto estupefaciente, em casa, durante um convívio. O crime ocorreu em Alcácer do Sal em abril e os suspeitos foram agora detidos. Um ficou em prisão preventiva e o outro foi libertado.

Na noite do crime, os dois suspeitos e as quatro vítimas jantaram num restaurante em Alcácer do Sal. Depois, deslocaram-se para um bar e decidiram ir para a casa de um dos suspeitos para continuar o convívio. Até este momento, perto das duas horas da madrugada, o convívio corria de feição, mas na casa de um dos suspeitos, começou o terror.

Em casa, os dois homens, julgando que as raparigas lhes tinham furtado droga que tinham em casa, começaram a ameaçá-las com uma arma de fogo e a agredi-las. Obrigaram-nas a despir por completo para averiguar onde tinham guardado a droga. Apenas uma acedeu ao pedido e as outras três foram agredidas.

PUB

Horas passaram e os suspeitos localizaram a droga, não na posse das vítimas, mas noutro local em casa onde a tinham guardado, esquecendo-se disso. As vítimas foram libertadas e chamaram um amigo para lhes dar boleia para casa. Deslocaram-se depois à esquadra da GNR, onde apresentaram queixa, e o caso passou para a PJ de Setúbal.

Uma das vítimas foi assistida no hospital pelos ferimentos sofridos. Os suspeitos foram agora detidos pela PJ de Setúbal. Estão indiciados pela prática dos crimes de sequestro, coação, ofensas à integridade física, tráfico de estupefacientes, importunação sexual e detenção de arma proibida. Foram presentes a Tribunal para aplicação de medidas de coação e viram o juiz aplicar a um a prisão preventiva e a outro apresentações periódicas ao posto da GNR.

Os suspeitos têm antecedentes criminais por tráfico de estupefacientes, roubos e furtos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG