Interrogatório

Sócrates fala em acusação "monstruosa e injusta" da Operação Marquês

Sócrates fala em acusação "monstruosa e injusta" da Operação Marquês

O antigo primeiro-ministro reiterou, esta segunda-feira, que quer "repor a verdade" na instrução da Operação Marquês, para que "não fique pedra sobre pedra" da acusação do Ministério Público (MP). Classificou ainda a acusação de "monstruosa, injusta e completamente absurda".

O antigo governante socialista está a acusado, no total, de 31 crimes de corrupção, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada. Sócrates tenta, nesta fase, evitar que o processo siga para julgamento.

"Venho (...) com o mesmo estado de espírito, para repor a verdade, para que não fique desta acusação pedra sobre pedra", afirmou o ex-primeiro-ministro à chegada, pelas 13.30 horas, ao Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, para o quinto dia de interrogatório. A diligência, dirigida pelo juiz Ivo Rosa, decorre à porta fechada.

"É uma acusação monstruosa, injusta e completamente absurda", insistiu, aos jornalistas, Sócrates. Um dos procuradores titulares do inquérito, Rosário Teixeira, preferiu não comentar as declarações do ex-primeiro-ministro, garantindo apenas que a acusação está "suportada".

Neste quinto dia, o antigo governante deverá ser questionado, entre outros assuntos, sobre a compra, em 2012, de um apartamento de luxo na capital francesa, Paris. Oficialmente, o imóvel foi adquirido por 2,8 milhões de euros pelo amigo Santos Silva, mas o MP acredita que este pertencia, na realidade, a Sócrates, que o escolheu e dele usufruiu.

A relação entre o Grupo Espírito Santo e a Portugal Telecom, a Caixa Geral de Depósitos e o crédito ao empreendimento Vale do Lobo, o concurso para a concessão da obra do TGV no troço Poceirão-Caia e a disponibilização a José Sócrates, por Santos Silva, de centenas de milhares de euros em notas foram alguns dos temas abordados nas quatro sessões anteriores.

O antigo primeiro-ministro tem dito sempre ser inocente.