O Jogo ao Vivo

Medidas de coação

Suspeitos da autoria de 34 assaltos ficam em prisão preventiva

Suspeitos da autoria de 34 assaltos ficam em prisão preventiva

Juiz ordenou que os três cadastrados detidos na terça-feira regressassem à prisão de Custóias, pouco tempo depois de terem sido libertados. Mulheres com ligações ao grupo foram libertadas.

Os três homens detidos, na terça-feira, pela PSP do Porto, por serem suspeitos da autoria de 34 assaltos a cafés e papelarias do norte e centro do país, ficaram em prisão preventiva. Na tarde desta quinta-feira, no final do primeiro interrogatório judicial que decorreu no Tribunal de Instrução Criminal do Porto, todos foram transportados à cadeia de Custóias, em Matosinhos, onde aguardarão a conclusão da acusação do Ministério Público.

Já uma das duas mulheres que integravam o grupo, de 19 anos, ficou obrigada a apresentações na esquadra da PSP. A outra, de 69 anos e mãe de um dos suspeitos de arrombar portas de estabelecimentos para roubar máquinas de venda de tabaco, ficou sujeita a termo de identidade e residência. Todos os cinco foram detidos durante uma operação coordenada pela Divisão de Investigação Criminal do Porto da PSP. Estão ainda proibidos de contactar entre si.

Privilegiavam locais junto a autoestrada

Tal como o JN avançou, dois dos suspeitos de efetuar 34 assaltos, residentes no Porto, abandonaram a prisão de Custóias, em Matosinhos, onde cumpriram dez de 12 anos de penas por assaltos à mão armada, em maio do ano passado. Mas mantiveram-se inativos até dezembro, mês em que foi libertado um elemento do antigo Gangue do Valbom, condenado a 17 anos de cadeia (cumpriu mais de 12) por roubos e tentativa de homicídio.

Já em liberdade, os três homens, com idades entre os 27 e os 43 anos, juntaram-se para regressar à vida criminosa. O primeiro assalto foi concretizado logo em janeiro deste ano e deu início a uma vaga de crimes que percorreu localidades como Mealhada, Cacia, Águeda, Oiã, Esmoriz e Espinho, mas também Cinfães, Paredes, Barcelos, Guimarães, Caminha e Viana do Castelo. Até à data da detenção, o gangue realizou ainda assaltos no Porto, Póvoa de Varzim e Vila do Conde.

PUB

Em todos os casos, o trio recorreu ao mesmo modus operandi. Começava por escolher meticulosamente o estabelecimento a assaltar, normalmente perto de uma autoestrada, e furtava uma carrinha (com uma bagageira capaz de transportar uma máquina de tabaco) da marca BMW, Mercedes ou Volkswagen, que lhes permitia circular a grande velocidade. E era sempre com rapidez que o grupo, durante a madrugada e já com as matrículas das viaturas trocadas, se dirigia a pastelarias, cafés e papelarias. Várias bombas de gasolina, localizadas nas autoestradas, também foram atacadas.

Para entrar nos estabelecimentos, os indivíduos usavam um de três métodos: arrombavam a porta com o próprio carro; prendiam cintas à viatura para arrancar a grade de proteção ou utilizavam marretas para partir a montra. Uma vez no interior dos espaços comerciais, o grupo arrastava, de imediato, a máquina de venda de tabaco até ao automóvel e, se tivesse tempo, furtava caixas de tabaco aquecido e raspadinhas. Na posse do material, fugia pela autoestrada até a um local ermo, previamente escolhido, para retirar os maços de cigarros da máquina. "Chegaram a fazer três assaltos numa só noite", afirmou o comissário da PSP João Soeima, numa conferência de imprensa realizada na quarta-feira.

Agrediram comerciante e abalroaram carro da PSP

As diligências feitas, desde maio, pela Divisão de Investigação Criminal do Porto da Polícia permitiu descobrir que o tabaco furtado era vendido pelas duas mulheres a recetadores e a moradores de bairros do Grande Porto, enquanto os prémios das raspadinhas eram levantados em espaços autorizados. Só na operação agora realizada, e que envolveu 15 buscas domiciliárias, a PSP apreendeu 19 900 euros em dinheiro (proveniente da venda do material furtado), 450 maços de tabaco e 492 raspadinhas. Foi ainda apreendida uma caçadeira ilegal, que o gangue usava para se proteger durante o assalto.

A arma nunca foi disparada nos roubos realizados, embora os assaltantes não hesitassem em recorrer à violência para conseguirem fugir. Em Gondomar, agrediram a murro o dono do café que, morando por cima do estabelecimento, tentou evitar o roubo da máquina do tabaco e, na Foz do Douro, no Porto, abalroaram um carro-patrulha. O incidente ocorreu em março, quando os agentes perseguiam o grupo após mais um assalto. Não se registaram feridos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG