Crime

Suspeitos de planear fogo em oficina em Arcos de Valdevez foram libertados

Suspeitos de planear fogo em oficina em Arcos de Valdevez foram libertados

Os três suspeitos de envolvimento no incêndio que matou um jovem de 25 anos numa oficina de venda e reparação de motociclos em Arcos de Valdevez, saíram em liberdade.

O proprietário da "Moto Racing", de 41 anos, a sua companheira e a namorada da vítima mortal, foram detidos sob forte suspeita de terem delineado, em conjunto, um plano para destruir totalmente a oficina pelo fogo para receber um seguro no valor de mais de 100 mil euros.

O incêndio correu mal e acabou por vitimar um dos executantes, Gael Cunha e provocar queimaduras na namorada, sua cúmplice, que, ao que o JN apurou, terá, entretanto, confessado o crime às autoridades.

Os detidos foram ouvidos esta quarta-feira no Tribunal de Arcos de Valdevez, de onde saíram em liberdade, com obrigatoriedade de apresentações periódicas no posto da GNR da sua área de residência (Arcos de Valdevez).

O Ministério Público tinha pedido prisão preventiva, face à prova reunida pela investigação, à confissão de uma das detidas e "perigo de fuga" do proprietário da oficina e sua companheira de nacionalidade brasileira. Recorde-se que, na altura do incêndio, estes se encontravam ausentes no Brasil.

A mando do dono, Gael Cunha e a namorada, foram ao estabelecimento na madrugada de 4 de janeiro, transportando com eles três "gericans" de 25 litros cada um, contendo gasolina. O jovem derramou todo o combustível que ao deflagrar provocou uma violenta explosão, causando-lhe a morte.

Os suspeitos, o homem de 41 anos, e as mulheres com 24 e 27, foram detidos na segunda-feira, 3 de fevereiro. Sobre os três recaem, segundo a PJ, "fortes suspeitas da prática de crimes de incêndio em edifício, homicídio qualificado na forma tentada e burla relativa a seguros qualificada, igualmente na forma tentada".