Premium

Tribunal ordena prisão imediata de arguido com cancro

Tribunal ordena prisão imediata de arguido com cancro

David Oliveira foi condenado a seis anos de prisão quando estava a ser tratado à leucemia. PSP recusou cumprir mandado de detenção.

O Tribunal de Vila Nova de Gaia ordenou que um doente canceroso, de 24 anos e condenado a seis anos de prisão por tráfico de droga, seja levado o mais rapidamente possível para a cadeia. Mas o débil estado de saúde do condenado levou, ontem, a PSP a recusar transportá-lo para o estabelecimento prisional. A juíza responsável pela emissão do mandado de detenção refere que só o Tribunal de Execução de Penas (TEP) tem competência para manter David Oliveira em casa.

A história começa a contar-se a partir do momento em que o homem de Vila Nova de Gaia foi considerado culpado do crime de tráfico de droga e condenado a seis anos de prisão. Uma pena que foi alvo de recurso para o Tribunal da Relação do Porto, mas que se manteve inalterada. No entanto, quando os desembargadores confirmaram os seis anos de prisão, a David Oliveira já tinha sido diagnosticado um cancro grave. A leucemia levou a que, em maio do ano passado, tenha sido sujeito a um transplante de medula óssea, intervenção cirúrgica que lhe trouxe mais problemas de saúde e obrigou a ser internado, em 25 de novembro. Teve alta três depois, mas em dezembro voltaria ao hospital para uma segunda operação, que não se realizou devido ao seu débil estado de saúde.