Seixal

Tribunal ordena terapia para alunas que provocaram atropelamento de jovem 

Tribunal ordena terapia para alunas que provocaram atropelamento de jovem 

As duas alunas visadas no atropelamento de um jovem que fugia delas à saída da escola em maio do ano passado, no Seixal, vão ter que fazer terapia. A decisão foi do Tribunal de Famílias e Menores do Seixal, onde as jovens de 13 anos, por serem menores, respondiam perante um processo tutelar educativo. Na escola que frequentam foram suspensas durante 12 dias.

O caso aconteceu no dia 21 de maio de 2021, quando alunos da Escola Básica Dr. António Augusto Louro, na Arrentela, seguiam na berma da Estrada Nacional 10-2, à saída da Escola. O caso foi filmado e no vídeo é possível ver o jovem a ser perseguido e esmurrado no braço. Numa tentativa de fuga, o menor atravessou a estrada e acabou por ser atropelado.

O jovem sofreu ferimentos ligeiros e foi assistido no hospital de Almada. As duas alunas visadas foram suspensas e alvo de um inquérito tutelar e educativo no tribunal que terminou esta terça-feira, sem recurso possível. As raparigas vão ter de fazer sessões de treino de competências sociais e pessoais.

Paulo Edson da Cunha, advogado das alunas, afirma que esta medida foi tomada em acordo. "Todas as partes envolvidas seja Ministério Público e famílias dos intervenientes concordaram em aplicar esta medida de terapia que o tribunal aceitou", esclarece.

As sessões de treino de competências sociais e pessoais vão ser ministrada pela Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG