O Jogo ao Vivo

Justiça

Vaz das Neves não vai ser reconduzido na Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos

Vaz das Neves não vai ser reconduzido na Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos

O ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa Vaz das Neves, arguido na Operação Lex, não será reconduzido como membro da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos (CADA), revelou esta terça-feira a ministra da Justiça no parlamento.

"Vaz das Neves termina agora o seu mandato e pediu a sua renúncia. O Governo não o vai reconduzir", disse Francisca van Dunem durante a sua audição regimental na Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias.

A ministra respondia à deputada do PAN Inês Sousa Real que questionou a titular da pasta da Justiça se considera aceitável que magistrados que estão sob suspeita de crimes graves possam continuar a trabalhar nos tribunais e noutros organismos públicos, apontando as funções desempenhadas pelo ex-presidente da Relação de Lisboa na CADA.

Quanto à questão de saber se os magistrados sob suspeição podem ou não continuar a laborar nos tribunais, Francisca van Dunem referiu que estão ainda em curso as averiguações do Conselho Superior da Magistratura -- órgão de gestão e disciplina dos juízes -- para determinar qual a "extensão do fenómeno" suscitado com as alegadas irregularidades na distribuição de processos judiciais na Relação de Lisboa.

A ministra referiu que o Conselho Superior da Magistratura é o órgão que pode tomar medidas disciplinares que determinem a suspensão de funções dos juízes, mas aproveitou para desafiar os deputados e o parlamento a analisarem e discutirem o tema em termos legislativos e mudarem as leis se for caso disso.

A Operação Lex, tornada pública em janeiro de 2018 e que continua em investigação pelo Ministério Público junto do Supremo Tribunal de Justiça, tem como arguidos o desembargador Rui Rangel, a sua ex-mulher e juíza Fátima Galante e o funcionário judicial Octávio Correia, todos do Tribunal da Relação de Lisboa, o advogado Santos Martins e o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, entre outros.

PUB

No inquérito investigam-se suspeitas de tráfico de influência, de corrupção/recebimento indevido de vantagem, de branqueamento e de fraude fiscal, algumas delas relacionadas com a viciação de sorteios electrónicos de distribuição de recursos para apreciação pelos juízes do TRL.

A deputada do PAN levantou ainda questões relacionadas com a não atualização da tabela de honorários dos advogados oficiosos -- à semelhança do que fizera também António Filipe (PCP) -- e alertou para o problema das custas judiciais que afasta os cidadãos dos tribunais e dificulta o acesso à justiça.

A ministra referiu que na anterior legislativa foram apresentadas propostas nesse domínio, que não chegaram a ser aprovadas pelo parlamento, manifestando a intenção de retomar a questão.

Durante a audição, a ministra foi confrontada por vários deputados, incluindo André Ventura (Chega), sobre a diretiva da procuradora-geral da República que alegadamente permite ao superior hierárquico do Ministério Público interferir nas diligências das investigações, colocando em causa a autonomia dos magistrados s como supostamente terá acontecido no processo de Tancos, em que o diretor do DCIAP impediu os procuradores titulares do processo de inquirirem o primeiro-ministro e o Presidente da República.

Neste domínio, a ministra não se quis alongar por se tratar de matéria da competência da Procuradoria-Geral da República, mas, com base na sua experiência de magistrada do MP, afirmou que as ordens são sempre escritas e se forem ilegais os magistrados devem recusar em cumpri-las.

Relativamente ao facto de estas ordens deverem ou não constar dos autos do processo, a ministra disse ter "muitas reservas" sobre a utilidade disso, até porque permite a "chicana processual".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG