Conferências de Gaia

"O Caminho tem valor para ser classificado como Património Mundial"

"O Caminho tem valor para ser classificado como Património Mundial"

Arquiteto, autor do "Estudo de viabilidade da candidatura à UNESCO do Caminho Português de Santiago"

Rui Ramos Loza diz que seria razoável e vantajoso que a candidatura a Património Mundial da UNESCO do Caminho Português de Santiago fosse apresentada em conjunto com Espanha. No entanto, considera ser difícil juntar uma grande diversidade de entidades.

Qual foi o foco do seu trabalho?

Estou focado no aspeto de se vale a pena e que probabilidades é que há de uma candidatura a Património Mundial ter sucesso. Nesse âmbito, a minha primeira conclusão é que o caminho tem valor, histórico, cultural, patrimonial, significativo para poder ser base de uma candidatura. Por outro lado, vale a pena, sobretudo, considerar a perspetiva que o Caminho Português entre como alargamento do bem que já existe classificado, que é o Caminho Francês. Isso pressuporia um processo de candidatura internacional, porque o caminho vai até à fronteira com a Galiza e, depois da fronteira, de Tui até Santiago, e seria mais razoável e de todo vantajoso, que a candidatura seja apresentada por Portugal e Espanha.

E com que realidade se depara essa possível candidatura?

Encontro no presente um conjunto de dificuldades a ultrapassar, que terão de ser vencidas através da articulação de uma grande diversidade de entidades interessadas.

No seu entender, será um argumento essencial para essa candidatura, que o caminho esteja em bom estado?

A candidatura implica a elaboração e apresentação à UNESCO de um plano de gestão. Se nem tudo estiver bem, desde que esteja planeada a sua conservação, manutenção, salvaguarda e valorização, e que o plano seja aprovado, não será. Quando o Porto entrou na lista do Património Mundial, estava muito longe de estar recuperado. O que é preciso é que eles (UNESCO) acreditem que o processo de gestão é sólido e não fugaz.

A gestão dos caminhos é diferente em Espanha e em Portugal?

Em Portugal, a gestão não existe e em Espanha, na Galiza, já existe uma instituição que gere os caminhos de Santiago. Estamos em pé de desigualdade. É uma dificuldade que teremos de vencer no futuro.

O ideal seria o mesmo tipo de gestão que se faz na Galiza?

Nós temos que aprender com a Galiza, mas não temos que copiar. O ideal seria que, à volta da mesa, as entidades mais representativas se entendam para estruturarem a condução de um processo que leve ao objetivo final, que é ver o caminho classificado e depois disso ter estrutura para o manter. O pior que podia acontecer era conseguirmos introduzir o património na lista da UNESCO e depois passado alguns anos ele estar tão desgovernado, que a UNESCO tivesse de retirar a candidatura.

O caminho está desgovernado, atualmente?

Não está desgovernado, mas está desarticulado.

Conferências de Gaia

ver mais vídeos