O Jogo ao Vivo

Conteúdo Patrocinado

Mobiliário e design de Sobrado presentes em 40 países

Mobiliário e design de Sobrado presentes em 40 países
Produzido por:

Os primeiros passos da Jetclass Group, uma empresa de mobiliário e design sediada em Sobrado, Valongo, começaram a ser dados há cerca de 18 anos por Agostinho Moreira. De lá para cá, a marca cresceu, expandiu-se e tornou-se numa referência mundial ao nível do segmento de luxo.

"A história da Jetclass começa pequena, tal como todos nós, com uma estrutura de sete a oito pessoas, apostando num estilo de design de mobiliário de luxo bastante clássico. Os móveis eram feitos de uma forma mais artesanal e não havia necessidade de grandes clientes e mercados para nos conseguirmos alimentar. Fomos evoluindo e crescendo e, já com 20 ou 30 pessoas a trabalhar, começamos a ir para um estilo mais neoclássico, moderno e contemporâneo, consoante o que se estava a passar no mercado. Com o crescimento da empresa foi necessário mudar de instalações e apostar em tecnologia e maquinaria de ponta, bem como criar um gabinete de arquitetura de interiores e design, pois já não conseguíamos dar andamento a todas as solicitações, o que foi conseguido graças ao primeiro programa QREN de incentivo às empresas a que nos candidatamos, um projeto orçado em cerca de três milhões de euros", conta Agostinho Moreira, o CEO (diretor executivo) da Jetclass Group, avançando que "a empresa evoluiu ainda mais", dando-se, então, o salto para a internacionalização, com a marca a ser apresentada em várias feiras internacionais em França, Itália, Inglaterra, Dubai, Rússia e América.

"Os pedidos começaram a ser maiores e tivemos a necessidade de alargarmos também as instalações e de recorrermos a mais tecnologia. Candidatamo-nos a um segundo projeto do QREN, também de três milhões de euros e fomos crescendo e evoluindo de ano para ano até chegarmos ao dia de hoje. Neste momento estamos com um projeto de 12 milhões de euros para fazermos a ampliação da fábrica para mais do dobro da área, passando dos atuais cinco mil metros quadrados para 12500 e passará dos atuais 70 para 120 trabalhadores", refere o dono da Jetclass, explicando que este alargamento irá permitir à empresa "evoluir ainda mais a tecnologia, que já tem vindo a desenvolver ao nível do "high tech", homótica, robótica em várias peças de mobiliário".

"Queremos agora aperfeiçoá-las e ir para a "Era do Digital" e ver um pouco mais à frente, para dentro de uma década todos os nossos móveis serem mobiliário tecnológico, a fim de poderem ser ligados às casas inteligentes e para haver uma evolução na parte do acabamento e segurança. Há uma série de situações que estamos a ver e para as quais estamos a caminhar", revela Agostinho Moreira, salientando que "a marca é bastante reconhecida e referenciada a nível internacional, mais do que a nível nacional".

Marca tem várias vertentes

Esse reconhecimento deriva das várias vertentes que a empresa engloba. Para além da marca própria de mobiliário, a empresa também produz móveis à medida das necessidades e gostos dos clientes, abrindo-lhes as portas a um infindável catálogo de design e acabamentos. O papel da Jetclass não se fica apenas pela produção do mobiliário. Desde as peças de decoração, aos candeeiros, às carpetes e ao papel de parede, até tudo o mais que seja preciso ou desejável para a decoração de um espaço - desde uma divisão de uma casa, a uma loja, a um restaurante ou um hotel completo - a empresa fornece aos clientes.

"Quando pegamos num negócio temos de optar e decidir se queremos ser mais um a trabalhar naquilo que todos os outros estão a trabalhar ou se queremos ser diferenciadores. Optamos por sermos diferenciadores. O nosso risco é maior, pois temos de estar a inovar permanentemente. Mas, a nossa marca tem um conceito próprio e já é vista como uma tendência a seguir, que está sempre a inovar. Queremos ser uma marca distinta e que seja distinguida no mercado e diferenciadora e queremos, também, ser uma das maiores marcas a nível internacional ou, pelo menos, uma das marcas de referência a nível internacional", frisa o diretor executivo.

Agostinho Moreira complementa sobre as várias vertentes da empresa: "Grande parte das fábricas de mobiliário tratam pura e simplesmente de fabricar os móveis e nós fazemos muito para além disso. Fabricamos o mobiliário, mas o gabinete de arquitetura de interiores e design da empresa faz o projeto do tema e desenvolve o conceito para o cliente, quer seja para uma casa, um restaurante ou um hotel. Desde o mobiliário, às cortinas, iluminação, carpetes, papel de parede. É uma mais-valia termos algo diferente para dar ao nosso cliente, pois ele também se sente apoiado, mesmo que o conceito seja elaborado por ele nós damos todo o apoio e ajudamos a corrigir alguma situação que possa surgir".

Aumentar exportações e apostar no mercado nacional

O sucesso da empresa a nível internacional fica bem patente nos números da faturação apresentados em 2018. "As exportações representaram 97% do volume de negócios, abrangendo 40 e tal países diferentes", avança o CEO da Jetclass Group. "Não temos um mercado específico para absorver a produção. Podemos fazer um hotel em França, em Inglaterra ou na Argélia. Em 2019 queremos evoluir ainda mais em termos de exportação, queremos acompanhar os nossos clientes e ter novos, para haver um canal de escoamento maior para esses países. A nível de exportação estamos bem vistos e a marca está muito bem representada lá fora. É uma referência e é a isso que queremos dar continuidade para nos destacarmos e faturarmos mais lá fora", aponta Agostinho Moreira, acrescentando que a nível nacional também terá vários projetos na área da hotelaria.

"Foi uma imposição de 2018 termos de fechar as contas com 97% de exportação por causa do objetivo do projeto que tínhamos. Tivemos de optar pelo cliente externo e deixar ficar alguns projetos em Portugal para 2019. Mas este ano vamos ter uma fasquia de 20 a 25% de volume de negócio para o mercado nacional", finaliza o dono.

ver mais vídeos