Açores

Família recua e diz que corpo de Jean-Jacques Savin não foi encontrado

Família recua e diz que corpo de Jean-Jacques Savin não foi encontrado

A filha de Jean-Jacques Savin, que desde o dia 1 de janeiro estava a atravessar o Oceano Atlântico a remo, retificou este domingo que o corpo do aventureiro francês, de 75 anos, afinal, não foi encontrado no interior da sua embarcação ao largo dos Açores, continuando assim desaparecido.

"Acabamos de saber que o corpo do meu pai não estaria na embarcação dele e que não foi recuperado. Até à data não temos confirmação oficial das autoridades marítimas portuguesas", escreveu Manon Savin nas redes sociais, corrigindo a informação inicial que tinha sido avançada pela própria página oficial do aventureiro francês, no sábado, de que o corpo do pai teria sido encontrado por um mergulhador.

Este domingo, a Marinha Portuguesa informou, em comunicado, que encontrou a embarcação de Jean-Jacques Savin virada no mar, mas sem a presença do navegador solitário.

"A embarcação foi visualizada voltada ao contrário, com o casco para a superfície, por vários navios mercantes e pelas aeronaves da Força Aérea, tendo-se intensificado as buscas pelo homem, nas imediações da embarcação, sem sucesso", refere a Marinha, adiantando que as buscas terminaram no final do dia de sábado e que o kayak onde seguia foi recolhido para bordo, pela corveta António Enes.

"Permanece um aviso à navegação para que os navios que naveguem na área estejam atentos à possibilidade de ser avistado o náufrago", finaliza o comunicado.

Nas ações de busca "foram empenhados um total de 11 navios mercantes, três aeronaves da Força Aérea Portuguesa, um EH-101, um C295 e um P3, e o navio da Marinha que permaneceu na área até ao final das ações".

PUB

O aventureiro, que partiu no dia 1 de janeiro de 2022 de Sagres para uma travessia do Oceano Atlântico, acionou um dispositivo de emergência às 23.39 horas de quinta-feira, mas ainda não foi ainda encontrado. Encontrava-se a 367 milhas náuticas a sudeste da ilha de São Miguel, nos Açores.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG