Covid-19

Aveiro volta a ter centro de vacinação mas não no Parque de Exposições

Aveiro volta a ter centro de vacinação mas não no Parque de Exposições

Ribau Esteves ainda não divulgou qual o novo local, mas garantiu que o mesmo está a ser ultimado, em colaboração com o Agrupamento de Centros de Saúde do Baixo Vouga.

As filas intermináveis para a vacinação contra a covid-19, que têm acontecido no Centro de Saúde de Aveiro - obrigando, por vezes, a mais de duas horas de espera -, têm os dias contados. O concelho vai voltar a ter um centro de vacinação, depois de, em outubro, ter sido encerrado o que estava instalado no Parque de Feiras e Exposições. Ribau Esteves, presidente da Autarquia, deu a novidade, na tarde desta quinta-feira, durante uma reunião do executivo camarário, sem, contudo, adiantar qual é o local escolhido.

A Câmara de Aveiro diz que vai divulgar, nos próximos dias, em conjunto com o Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) do Baixo Vouga, em que espaço está a ser instalado o novo centro de vacinação, que deverá entrar em funcionamento "durante o mês de janeiro". "Não vai ser no Parque de Feiras e Exposições. Vai ser num espaço sem conflitos de interesse e que ficará reservado pelo tempo que for necessário. A instalação já está em curso", afiançou Ribau Esteves, adiantando, ainda, que, através do ACeS, está a ser contratada uma equipa de profissionais de saúde para trabalhar "em exclusivo" no novo centro de vacinação. Até porque "o principal problema tem sido a falta de recursos humanos".

Críticas à "Casa Aberta"

Segundo Ribau Esteves, "a instalação que o Ministério da Saúde criou, no Centro de Saúde de Aveiro, tem capacidade para vacinar 200 pessoas por dia, durante a semana, e 600, ao fim de semana". Mas, devido ao sistema "Casa Aberta" - que permite a vacinação de quem não tem hora agendada -, "o que tem acontecido é que em vez das 200 tem-se vacinado 600 e em vez das 600 tem-se vacinado 1200". "Temos apelado a que o Ministério da Saúde resolva este problema. E é fácil: é terminar com a "Casa Aberta" e deixar para as autoridades locais a marcação e a gestão do processo", opinou o autarca, acusando o Ministério da Saúde de estar a gerir o processo "de forma completamente errada".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG