Política

Ribau Esteves elogia Medina e espera que acabe com burocracia "de que foi vítima"

Ribau Esteves elogia Medina e espera que acabe com burocracia "de que foi vítima"

Dívida da Câmara de Aveiro baixou para 72,4 milhões de euros devido à redução em 6,4 milhões no ano passado

O presidente da Câmara de Aveiro, Ribau Esteves, elogiou esta quinta-feira o ministro das Finanças Fernando Medina, e espera que acabe com a "burocracia absurda criada pela troika, de que foi vítima" enquanto autarca. "Tenho muita fé no ministro Fernando Medina, um excelente político e um técnico de grande qualidade. Ainda temos muita burocracia instalada no período da troika de que Medina foi vítima, enquanto presidente da Câmara de Lisboa", disse Ribau Esteves, desafiando o ministro das Finanças a "não mudar de personalidade e atuar em conformidade".

Ribau Esteves falava na reunião extraordinária da Câmara de Aveiro que aprovou o Relatório de Gestão e a Prestação de Contas de 2021.

PUB

Ribau Esteves regozijou-se igualmente pela permanência de Ana Abrunhosa no Governo e pela dependência direta dos dossiers dos fundos europeus a uma ministra com peso político, Mariana Vieira da Silva.

O presidente da Câmara de Aveiro, que é apontado como possível candidato à liderança do PSD (vai anunciar a decisão na segunda-feira), defendeu ser preciso "fazer baixar os custos de componentes essenciais da atividade económica". "Os custos estão a disparar e nem tudo tem a ver com a guerra ou a pandemia e muitos têm a ver com a fatura fiscal excessiva que o país tem sobre os combustíveis e a energia", disse.

Manuel Sousa, líder concelhio do PS e vereador da oposição, surpreendeu-se com os elogios à composição do novo Governo e à defesa de políticas sociais, concluindo que Ribau estava a "piscar de olhos à esquerda".

O vereador socialista reconheceu ser positiva a recuperação económica da Câmara de Aveiro espelhada nas contas apresentadas de 2021, mas criticou a elevada execução da receita por contraponto à inferior execução da despesa.

Para os vereadores do PS, era desnecessário ao município manter os impostos municipais tão elevados, se só iria executar cerca de metade do previsto.

O valor elevado do saldo foi justificado pelo presidente da autarquia: "Assumimos que a câmara ia passar a ser boa pagadora, com 100% de segurança para quem trabalhar connosco, seja para vender um parafuso ou fazer uma grande empreitada".

O autarca reconheceu que é desejável ir reduzindo a dimensão do saldo, bastando para essa segurança menos de 10 milhões de euros, o que já foi iniciado em 2022 e deverá prosseguir, no sentido de aproximar os valores da execução real.

O ano em apreciação, 2021, marcou o fim do Programa de Ajustamento Municipal (PAM), sendo que a execução financeira da despesa foi de 84,2 milhões de euros e a da receita foi de 125 milhões de euros, com um resultado operacional positivo de 10,6 milhões de euros. O valor do saldo de gerência que transita para 2022 é de cerca de 41 milhões de euros.

A redução da dívida total foi de cerca de 6,4 milhões de euros, o que representa uma redução de 8,1% face ao ano transato (2020), fixando a dívida do Universo Municipal no valor global de 72,4 milhões de euros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG