Covid-19

Sobe para 60 número de infetados na Universidade de Aveiro

Sobe para 60 número de infetados na Universidade de Aveiro

A Universidade de Aveiro (UA) registou um agravamento de casos de covid-19 nos últimos dias, existindo atualmente 61 pessoas infetadas com o novo coronavírus na instituição, que encerrou esta sexta-feira três espaços de alimentação devido ao confinamento geral.

De acordo com dados divulgados pela UA, as autoridades de saúde confirmaram nos últimos dois dias mais 29 infeções por SARS-CoV-2 entre a comunidade académica.

Só na quinta-feira, foram registadas 19 infeções pelo novo coronavírus, o segundo maior número de casos diário, desde que foi detetado um surto naquela instituição de ensino há mais de três meses.

Desde o início da pandemia, segundo a UA, foram registadas 498 infeções entre alunos, professores e funcionários, sendo que 437 pessoas já recuperaram da doença, havendo um doente hospitalizado.

Apesar deste aumento de casos, a UA mantém as aulas e avaliações presenciais, tendo feito apenas algumas alterações no funcionamento das cantinas, bares e restaurantes, devido ao novo confinamento que entrou em vigor à meia-noite.

Entre as medidas anunciadas esta manhã está o encerramento de três espaços de alimentação: Restaurante Universitário, Restaurante Vegetariano e o Bar do Ambiente.

As cantinas de Santiago e de Águeda estão abertas ao almoço e jantar, em regime exclusivamente de "take-away", podendo as refeições aqui adquiridas ser consumidas no interior da sala.

PUB

Já a cantina do Crasto funciona em "take-away" só ao almoço e até 19 de janeiro. A partir daí, estará encerrada, reabrindo a 25 de fevereiro.

O decreto do Governo que regulamenta o novo estado de emergência devido à pandemia da covid-19, em vigor entre a meia-noite de sexta-feira e as 23.59 horas de 30 de janeiro, determina o encerramento de atividades de restauração.

O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) defendeu na terça-feira que as atividades letivas e avaliativas devem continuar presenciais, manifestando disponibilidade para "ajustar medidas" em função daquilo do que "vier a exigir" a evolução da pandemia da covid-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG