Transportes

Espinho distribui 200 trotinetas pela cidade para incentivar mobilidade verde

Espinho distribui 200 trotinetas pela cidade para incentivar mobilidade verde

A Câmara Municipal de Espinho vai disponibilizar a partir de sábado 200 trotinetas elétricas em diferentes pontos da cidade, para incentivar a população a utilizar meios de mobilidade verde.

A medida resulta de um protocolo entre essa autarquia do distrito de Aveiro e a empresa Bird, que é apontada como "líder em micromobilidade em Portugal" e mais tarde pretende também disponibilizar bicicletas elétricas ao município.

Questionada pela Lusa, a autarquia ainda não indicou qual o preço do serviço para o utilizador, mas a avaliar pelas taxas cobradas pela Bird noutras cidades portuguesas, o uso das trotinetas deverá custar, diz a empresa na sua aplicação telefónica, "um euro para começar e 0,25 euros por minuto" -- a pagar mediante cartão de crédito ou débito, ou com recurso aos sistemas PayPal e GooglePay.

PUB

O presidente da Câmara de Espinho, Miguel Reis, diz que este é "um passo muito importante na construção de uma cidade mais sustentável e mais inteligente, e no reforço das soluções de mobilidade interna" no município.

Citado pela autarquia, o diretor da Bird em Portugal, Bernardo Janson, acrescenta que a parceria "vai permitir dar aos habitantes e visitantes de Espinho uma alternativa de transporte cómoda e amiga do ambiente", o que se enquadra no objetivo da empresa de "ajudar a tornar as vilas e cidades mais habitáveis e com melhor qualidade de vida, contribuindo para diminuir a circulação automóvel e para reduzir as emissões de carbono".

"Já o fazemos em centenas de localidades em todo o mundo e estamos verdadeiramente entusiasmados por poder prosseguir a nossa missão agora em Espinho", realça o responsável.

Na prática, as 200 trotinetas serão distribuídas por 17 pontos geográficos na cidade e poderão ser usadas mediante registo do utilizador numa aplicação móvel gerida pela Bird.

A utilização de cada utente será monitorizada pela empresa, para que a autarquia possa "recolher dados de mobilidade que ajudem a fazer evoluir a rede", que deverá aumentar de forma gradual e terá "locais de paragem obrigatórios, evitando o ruído urbano e o abandono de equipamentos na via pública".

Com o novo sistema de mobilidade, a autarquia antecipa uma redução "de emissões de gases com efeito de estufa, de partículas poluentes, de ruído urbano, de consumo de energia e de congestionamento de tráfego", com o que espera introduzir "melhorias na qualidade do ar e no ambiente de vivência urbana do centro de Espinho".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG