Dez casos positivos

Em Ovar, o pão é vendido a medo pelas janelas

Em Ovar, o pão é vendido a medo pelas janelas

Numa padaria o pão é vendido, a medo, através de uma janela. A clientela numerosa habitual nos restaurantes à beira mar desapareceu e os passeios das centenas de famílias pela marginal do Furadouro foram trocados pela permanência em casa. O concelho de Ovar está sitiado.

O apelo do presidente da Câmara Municipal, Salvador Malheiro, para que os munícipes se mantivessem em casa, depois de confirmados dez casos de Covid-19, na passada sexta-feira, surtiu efeito. Comércio e restauração a fechar e a população já quase não sai à rua.

"O pessoal está com medo". A afirmação de Joaquim Castro, um morador da zona costeira do Furadouro, Ovar, local que em dias normais de fim de semana chega a ser frequentado por milhares de pessoas, é elucidativa do sentimento generalizado.

Este sábado, o furadouro estava irreconhecível. "Vê-se meia dúzia de pessoas junto à avenida e os parques de estacionamento estão vazios. É um cenário nunca visto", atesta o morador.

"Nos cafés e nos supermercados não há praticamente movimento nenhum", adianta Joaquim Castro lembrando que até uma das padarias do Furadouro "está a entregar o pão por uma janela".

Durante a semana, os estabelecimentos de restauração viram a clientela a diminuir drasticamente e alguns optaram por encerrar as portas. Outros preparam-se para fazer o mesmo já no início da semana.

"Liguei para os principais restaurantes desta zona costeira e a ideia é fechar", garante Amadeu Amaro, proprietário do Restaurante D'Aurora, em Cortegaça, que se encontra já encerrado.

"Estamos em concordância para tentar conter esta desgraça. Temos prejuízos elevadíssimos, mas o problema maior agora é a nossa saúde", justifica.

O empresário lembra que a comunidade está "assustada" e a pensar em primeiro lugar na saúde de todos. Contudo, "depois de resolvermos este problema, vamos ter que resolver o problema monetário. Temos empregados em casa e contas para pagar", lembrou.

Amadeu Amaro diz que em breve terá reunião com os colegas da restauração e esperam que o Governo tome medidas para minimizar o momento difícil que este tipo de negócio está já a atravessar.

Perante o atual cenário, o presidente da Câmara Municipal, Salvador Malheiro, afirma que, "é notório o esforço da comunidade vareira para tentar travar a epidemia".

"Desde que foi divulgada a minha mensagem em relação a atual situação em Ovar e o número de infetados notou-se uma diferença muito grande. As pessoas estão agora a acatar as recomendações e o apelo que fiz", explicou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG