Ambiente

ICNF defende que abate no pinhal de Ovar foi positivo

ICNF defende que abate no pinhal de Ovar foi positivo

Instituto da Conservação da Natureza considera que os muito criticados processos de regeneração estão a apresentar resultados positivos.

O Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) considera que a regeneração espontânea nas áreas do perímetro florestal das dunas de Ovar, sujeitas a abate de árvores em 2016 ,está a apresentar "resultados muito positivos".

"Os processos de regeneração de pinheiro-bravo iniciados em 2016 no perímetro florestal das dunas de Ovar estão a apresentar resultados muito positivos. As duas parcelas que foram objeto de intervenção evidenciam hoje uma abundante regeneração em densidade de pinheiro-bravo, com os exemplares a apresentarem - tal como esperado - uma boa adaptabilidade e bons crescimentos anuais", refere o ICNF em comunicado. A mensagem surge depois da polémica gerada no início do ano pelo abate de pinheiro-bravo naquele concelho , quando um dos aspetos que partidos políticos, associações ambientalistas e moradores mais criticaram no plano de gestão florestal, aprovado pela entidade, foi o corte cego de vastas áreas sem reflorestação humana das mesmas.

A conclusão do instituto sobre o abate iniciado em 2016 é que "a estratégia adotada para esta regeneração se revelou adequada, atingindo com sucesso os objetivos propostos". O corte realizado em 2016 incidiu sobre uma parcela na freguesia de Cortegaça (numa extensão de 6,84 hectares) e sobre outra na de Maceda (medindo 7,26).

Como a análise aos terrenos de Cortegaça e Maceda demonstra agora o que o ICNF descreve como "uma abundante regeneração em densidade", o instituto conclui que "o calendário e tempo das operações mostrou-se assim adequado".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG