Santa Maria da Feira

Com 700 mil visitantes. "Viagem Medieval já é património nacional"

Salomão Rodrigues

Cerca de 700 mil pessoas passaram pela Feira Medieval|

 foto Salomão Rodrigues

 foto Salomão Rodrigues

 foto Salomão Rodrigues

Cerca de 700 mil pessoas passaram pela Feira Medieval, que termina neste domingo, e deverá aumentar área de implementação em 2023

A 25.ª edição da Viagem Medieval, que hoje termina na Feira, fica assinalada como a edição mais concorrida de sempre. Cerca de 700 mil visitantes passaram pelo evento que recria a idade média e que, considera o presidente da Câmara, Emídio Sousa, "já é património nacional".

"Foi uma edição de sucesso, que superou as nossas expectativas e excedeu largamente o número de visitantes das edições anteriores", confirmou, ao JN, o presidente da Câmara Municipal.

Após o interregno forçado devido à covid-19, a Viagem retomou com uma afluência recorde. "Tivemos cerca de 60 mil pessoas por dia, num total de 700 mil. A adesão foi notável e estamos todos muito felizes com isso", disse Emídio Sousa.

O autarca considera que a pandemia "acentuou o gosto dos portugueses pelo convívio com os amigos e com a família", influenciando, desta forma, a adesão ao evento.

"Já não somos apenas uma marca. A Viagem Medieval já é património nacional", diz Emídio Sousa, considerando que, na próxima edição, "é possível manter estes números".

Para isso, o presidente recorda que tem ainda disponível toda uma zona que não está totalmente potencializada, na Mata das Guimbras, ao longo do Cáster. Aqui, "poderão ser instalados mais locais para espetáculos e ampliar a zona de convívio".

Ressalva que a aposta futura poderá não passar por "ter mais gente", mas, "aumentar ainda mais a qualidade da oferta. Essa é a maior preocupação", referiu.

Em relação a queixas sobre o excesso de pessoas na área do evento, Emídio Sousa afirmou que, "mesmo nas ocasiões de maior fluxo, não houve nenhum momento de particular dificuldade". "Tivemos uma aglomeração normal".

Com um investimento de 1,5 milhões de euros no evento, o presidente da Câmara Municipal considera que os bons resultados obtidos vão beneficiar particularmente as associações do concelho, após dois anos sem o evento, que é uma das principais fontes de receita e determinante para as suas atividades ao longo do ano.

"Dois anos sem receita significativa, o movimento associativo estava debilitado. [Com a Viagem Medieval] vão ter o incremento de receita que era necessário", precisou.