O Jogo ao Vivo

Inédito

Câmara da Feira promove projeto comunitário de saúde pioneiro

Câmara da Feira promove projeto comunitário de saúde pioneiro

Doentes vão poder monitorizar parâmetros de saúde com recurso a aplicação de telemóvel.

Um total de 50 munícipes vão fazer parte do programa comunitário de saúde com o qual a Câmara Municipal pretende, numa primeira fase, promover o acompanhamento de hipertensos através de uma aplicação informática que irá monitorizar parâmetros como a tensão arterial, peso, frequência cardíaca.

Com apresentação pública marcada para a próxima segunda-feira, o programa prevê a disponibilização de uma aplicação informática, a "Polis - Healthy Smart Cities", em que os utentes passarão a dispor de uma maior capacidade de gerir individualmente a sua condição crónica de saúde.

Trata-se de uma aplicação, disponível em IOS e Android, compatível com qualquer telemóvel, no qual os pacientes, numa lógica preventiva, têm acesso à evolução dos seus marcadores de saúde, tais como tensão arterial, peso, frequência cardíaca.

A aplicação recolhe todas as informações e remete-as para a equipa clínica do programa de saúde. Quando se registam parâmetros clínicos desajustados, o paciente é alertado da necessidade de consultar um profissional médico.

De acordo com a autarquia, a aplicação permite ainda ao utilizador vários conteúdos como a gestão da doença crónica, dicas de alimentação e exercício físico.

"Com a implementação deste programa, Santa Maria da Feira torna-se pioneira a nível nacional de um sistema de saúde de medicina preventiva. Desta maneira, contribuiremos para evitar que muitos utentes acorram ao SNS, entupindo urgências e agravando o caos que é já uma realidade em muitas unidades hospitalares", referiu Emídio Sousa, presidente da Câmara Municipal da Feira.

PUB

O autarca refere, ainda, que o envelhecimento da população em Portugal e a evolução das doenças crónicas, "obrigam a um trabalho conjunto entre os profissionais de saúde e o poder autárquico".

"Estamos a tomar a dianteira e a liderar um processo que vai permitir aumentar a qualidade de vida das pessoas mais idosas, que passarão a usufruir de mais anos sem limitações por doença", referiu.

Dizendo-se "empenhado" em "liderar uma estratégia para a promoção das pessoas e estilos de vida saudáveis", promete "trabalhar com as autoridades de saúde no sentido de conhecer a carga de doença associada às principais patologias crónicas e monitorizar a evolução da carga de doença ao longo dos próximos anos".

Ana Luís Pereira, médica e CEO da empresa HSC - Healthy Smart Cities, entidade responsável pela aplicação informática, adianta que, "esta aplicação visa a promoção da saúde e a gestão da doença em autocuidado e foi desenvolvida de base para ser um projeto comunitário (...) que procura ser o menos invasiva possível, respeitando a privacidade de cada doente".

Esta aplicação marca a primeira fase do projeto comunitário de saúde que a autarquia da Feira pretende alargar a mais munícipes e a outras possíveis áreas de saúde.

Dos mais envelhecidos

Portugal é um dos países mais envelhecidos da Europa e um dos piores registos ao nível da OCDE, no que se refere a anos de vida com qualidade (livre de limitações por doença) após os 65 anos.

A mortalidade associada à prevalência de doenças crónicas e cancro regista os valores mais elevados entre os países europeus, assim como a prevalência das doenças neurodegenerativas. 50% da população com mais de 65 anos tem pelo menos uma doença crónica e 17%, pelo menos duas.

As causas destas patologias resultam em grande parte dos comportamentos ao longo da vida. Em Portugal, cerca de 57,8% dos portugueses entre os 25 e os 74 anos têm pelo menos uma doença crónica, sendo a hipertensão a mais frequente. Muitos doentes ainda estão por diagnosticar e muitos têm dificuldade em controlar as suas patologias.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG