O Jogo ao Vivo

Santa Maria da Feira

Corticeira multada pela ACT em 30 mil euros prepara despedimento de funcionária

Corticeira multada pela ACT em 30 mil euros prepara despedimento de funcionária

A corticeira Fernando Couto-Cortiças, SA de Paços de Brandão, Feira, está a preparar o despedimento por justa causa de Cristina Tavares, a funcionária que denunciou alegados "castigos".

A decisão da empresa surge dois dias depois de ter sido multada pela Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) em 31 mil euros por assédio moral à trabalhadora.

De acordo com comunicado do Sindicato do Operários Corticeiros do Norte, a entidade patronal "comunicou à trabalhadora que a mesma se encontra suspensa preventivamente para a organização de processo disciplinar tendente ao seu despedimento com justa causa".

Contactado pelo JN, o advogado Luís Castro, que vinha defendendo a empresa, recusou-se a fazer qualquer comentário. Contudo, à Lusa, o advogado Nuno Cáceres apresentou-se como o novo defensor da corticeira e explicou que a suspensão da operária visa permitir "a condução de um inquérito sobre uma série de factos fabricados que ela tem vindo a propalar publicamente". Considerou também que "a trabalhadora continuará a ser remunerada enquanto suspensa" e admitiu que é do interesse da empresa "concluir o assunto o quanto antes". A expectativa de Nuno Cáceres é que "sejam desmontadas uma série de mentiras que a funcionária tem andado a disseminar e que vêm prejudicando o ambiente de trabalho e a reputação da empresa, que até aqui, é certo, não tem sabido defender-se e agora decidiu que é tempo de adotar outra postura, até para poder recorrer devidamente da coima da ACT"

Cristina Tavares foi mandada para casa onde aguarda o desenrolar do processo instaurado pela empresa.

A trabalhadora, que foi readmitida na empresa no início do ano por ordem do Tribunal da Relação do Porto, depois de ter sido despedida, diz que passou os primeiros meses a fazer e a desfazer a mesma palete várias vezes ao dia, como "castigo".

Com o caso tornado público, afirmou ao JN, esta tarefa foi alterada. Contudo, "os castigos continuam, mas de outra forma", explicou.