Festa das Fogaceiras

Feira cumpre voto a S. Sebastião para livrar povo da peste

Feira cumpre voto a S. Sebastião para livrar povo da peste

"Que o Mártir S. Sebastião ouça as nossas rezas e nos livre desta terrível peste", apelava, esperançosa, Rita Melo, entre os muitos devotos ao Santo que, na manhã desta quinta-feira, marcaram presença na Festa das Fogaceiras, em Santa Maria da Feira.

Com um pequeno banco preso pelo braço, a idosa não teve tempo de se sentar para assistir ao cortejo que marcou o início dos festejos e voto secular das gentes feirenses para serem protegidas da peste. "Foi tudo muito rápido", desabafou. E foi mesmo.

Com o cortejo reduzido a 31 meninas fogaceiras e a poucos representantes da sociedade civil, a organização foi expedita neste primeiro evento evitando ao máximo a concentração de pessoas por tempos prolongados.

Se alguns dos presentes se aglomeravam sem preocupações perante a covid-19, a maioria tentava manter a distância possível de segurança.

"Fizeram bem em realizar o cortejo e a procissão. Estamos a ter os cuidados necessários e faz sentido pedir ao Santo que nos livre desta peste", afirmou Agostinho Lopes, um dos visitantes.

A esposa, Sandra Freitas, antiga fogaceira, recorda o ano passado, sem os festejos "foi um bocadinho triste".

"Ainda bem que fizeram este ano, porque estamos aqui com muita fé", disse.

PUB

Com as fogaceiras já no interior da Igreja Matriz, os lamentos ouviam-se por parte de quem não conseguiu entrar devido ao número restrito que foi definido no âmbito das medidas de proteção.

"Podiam ter feito uma missa campal para todos assistirem", comentava Ana Vaz, que não conseguiu entrar com a família no templo. Diz não ter hesitado em assistir aos festejos, porque " está quase tudo vacinado, não vejo grande problema", justificou.

"É melhor assim. Não entrar toda a gente e não haver problemas com a nossa saúde", afirmava Joaquim Santos, outro dos devotos a S. Sebastião.

À tarde, pelas 15.30 horas, inicia-se a procissão, com as fogaceiras a percorrerem algumas das ruas da zona histórica.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG