Premium

Reaprendem a conviver na escola sem telemóveis

Reaprendem a conviver na escola sem telemóveis

Na escola EB 2, 3 de Lourosa, Feira, há tolerância zero para o uso de telemóveis. A utilização dos equipamentos foi banida durante todo o período escolar e os alunos, incitados a adaptarem-se à mudança, voltaram a conviver entre si e a reviver brincadeiras antigas, como saltar à corda ou jogar às escondidas.

Um armário, instalado no pavilhão central, está repleto de caixas contendo telemóveis. Foram ali entregues pelos professores do primeiro tempo e só voltarão às mãos dos alunos na última aula. E mesmo com as aulas terminadas, o uso do telemóvel só é possível no exterior da escola.

É assim todos os dias, na sede do Agrupamento de Escolas António Alves Amorim, numa rotina imposta com mão firme pela Direção da escola que é, agora, acolhida com naturalidade. "Quando ia ao intervalo reparava nos alunos agarrados ao telemóvel e com muita pouco interação", explicou ao JN a diretora do agrupamento, Mónica Almeida. "Tinha de resolver o problema banindo os telemóveis", explica.