São João da Madeira

Fábrica de Calçado Evereste tenta recuperar de momento de crise

Fábrica de Calçado Evereste tenta recuperar de momento de crise

Os trabalhadores da empresa de calçado Evereste, em São João da Madeira, receberam apenas 30% do salário do mês de janeiro. A administração reconhece o atraso pontual e garante que está a fazer tudo para tentar ultrapassar o atual momento de crise.

Em comunicado, o Bloco de Esquerda (BE) deu a conhecer o atraso nos pagamentos aos cerca de 60 trabalhadores desta empresa de referência no concelho e que, esta semana, assinalou 78 anos de existência.

Diz o BE que, na segunda-feira, a administração informou os trabalhadores que o futuro da empresa "era incerto e que o advogado iria reunir com eles na próxima sexta-feira".

Informação que terá deixado os trabalhadores "desassossegados em relação ao futuro da empresa e ao seu futuro".

"A onda de boatos quanto ao futuro desta empresa tem-se adensado a cada dia que passa, o que deixa inquietos, tanto os trabalhadores, como as suas famílias", adiantou, ainda, o Partido.

André Fernandes, da administração da empresa, em declarações, ao JN, lembrou que, "em 78 anos de existência a Evereste sempre pagou religiosamente aos trabalhadores no último dia de cada mês". Reiterou, por isso, que, "trata-se de um atraso de 15 dias numa empresa que sempre pagou os ordenados".

Um problema explicado com pagamentos em atraso por parte de clientes que, "provocaram constrangimentos de liquidez".

Contudo, André Fernandes reconhece que a empresa se encontra "numa situação difícil", mas, "não estamos numa situação de bloqueio imediato", ressalvou.

"Os cenários estão todos em aberto [em relação ao futuro da empresa], mas estamos a trabalhar para que as coisas continuem", esclareceu, ao mesmo tempo que deixou em aberto a possibilidade de vir a pagar a parte do ordenado em atraso nos próximos dias.

Sobre a reunião agendada para sexta-feira com os trabalhadores, afirma que a mesma servirá para os informar sobre o atual momento. "Vamos fazer um ponto de situação", disse.

Empresa do Turismo industrial

A Evereste é uma das duas empresas que integraram o projeto de Turismo Industrial de São João da Madeira. A outra era a Helsar que entrou em processo de insolvência. A Evereste exporta atualmente para países como a França, Alemanha e Espanha.

BE questiona Governo

O BE quer saber se o ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social tem conhecimento de que a empresa está com problemas de tesouraria e se tem sido monitorizada pela Autoridade para as Condições de Trabalho.

Greve agendada para dia 27

Os trabalhadores decidiram enviar um pré-aviso de greve após o atraso nos pagamentos e o adensar das dúvidas sobre o futuro da empresa. A greve terá início no dia 27 de fevereiro.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG