Covid-19

Vagos encerra passadiços na Vagueira e limita circulação junto ao mar

Vagos encerra passadiços na Vagueira e limita circulação junto ao mar

A Câmara de Vagos vai encerrar na sexta-feira a circulação nos passadiços da Praia da Vagueira, depois de já ter limitado a circulação e o estacionamento junto ao mar.

"São medidas que se inserem no combate à propagação da Covid-19", explica o autarca Silvério Regalado, que aconselha os munícipes a ficarem em casa, respeitando as orientações da Direção-Geral da Saúde.

Os acessos aos passadiços vão ser vedados em toda a extensão da marginal, havendo um especial reforço de vigilância no troço entre o bar Casablanca e a praia do Labrego, que continuam a ser muito procurados para fazer caminhadas, apesar dos conselhos das autoridades.

Na praia do Areão haverá também limitações no estacionamento e acesso ao areal através do passadiço de madeira.

As decisões foram tomadas durante uma reunião da Câmara de Vagos, que decorreu através de vídeo, com cada vereador na sua casa. "Adotámos este modelo logo a seguir à declaração do estado de emergência, no respeito pelas orientações das autoridades de saúde", explica o autarca.

O serviço de atendimento ao público nos Paços do Concelho foi encerrado e a maior parte dos trabalhadores da autarquia está em teletrabalho enquanto durar o Plano de Contingência.

Em curso está uma campanha alargada de desinfeção de lugares, nomeadamente multibancos, paragens de transportes coletivos, etc.

Para proteger os trabalhadores, a Câmara encomendou máscaras e batas protetoras, reutilizáveis, a uma empresa do vizinho concelho de Mira.

A Câmara lançou ainda um serviço de apoio a idosos e outras pessoas em situação vulnerável, em coordenação com as Instituições Particulares de Solidariedade Social locais, que passa pelo fornecimento no domicílio de bens alimentares e medicamentos.

Portugal encontra-se em estado de emergência até às 23:59 de 02 de abril devido à pandemia.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 428 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 19.000.

Depois de surgir na China, em dezembro de 2019, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG