Aljustrel

Água branca e forte cheiro a enxofre na Ribeira do Roxo

Teixeira Correia

 foto Teixeira Correia / JN

 foto Teixeira Correia / JN

 foto Teixeira Correia / JN

 foto Teixeira Correia / JN

 foto Teixeira Correia / JN

O Núcleo de Proteção Ambiental do Comando Territorial de Beja (CTBeja) da GNR e os Serviços do Ambiente da Câmara Municipal de Aljustrel vão averiguar a possível origem de uma descarga que ocorreu no leito da Ribeira do Roxo, que atravessa o concelho.

A denúncia chegou ao JN dando conta de que "há alguns dias que a água da ribeira está branca e apresenta um cheio característico de ovos podres (enxofre)", apontando para uma descarga ilegal.

No leito da ribeira, junto ao Monte de São João, próximo da aldeia de Jungeiros, freguesia de São João de Negrilhos (Aljustrel), verificou-se in-loco a realidade, com a água a apresentar as caraterísticas descritas na denúncia.

O JN contou a GNR e a Câmara Municipal, e de ambos recebeu a mesma resposta: "não houve qualquer denúncia ou queixa derivada de uma descarga nesse local". Tanto uma como outra instituição de imediato tomaram as medidas necessárias à investigação da situação.

A GNR fez de imediato deslocar uma equipa do Núcleo de Proteção Ambiental "para averiguar a situação e tomar as medidas tidas por adequadas", disse ao JN fonte do Gabinete de Comunicação do Comando de Beja.

Por seu turno autarquia de imediato enviou para o local a responsável do ambiente "com o objetivo de documentar a situação, para posterior acompanhamento, porque se trata de uma área urbana onde o município não tem jurisdição", justificou fonte da edilidade.

Por mail, foram colocadas questões à administração da Almina, empresa proprietária das minas de Aljustrel, para tentar perceber se terá ocorrido algum problema com a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR), mas não foi recebida até ao momento qualquer resposta, por "não existir presença física de qualquer gestor nas instalações".

O troço da Ribeira do Roxo onde ocorreu a descarga passa por Aljustrel e Monte Velhos, e o local onde existe a maior mancha de poluição fica junto ao viaduto da A2, tendo ligação ao rio Sado junto a aldeia de Ermidas, já no concelho de Santiago do Cacém.