Beja

Carmelo encerra após 68 anos com saída das duas últimas carmelitas

Teixeira Correia

Convento fechou após 68 anos em Beja|

 foto Teixeira Correia/JN

Convento fechou após 68 anos em Beja|

 foto Teixeira Correia/JN

Convento fechou após 68 anos em Beja|

 foto Teixeira Correia/JN

Sessenta e oito anos após a restauração, o Carmelo do Sagrado Coração de Jesus, em Beja, o primeiro convento feminino da Ordem do Carmo em Portugal, foi encerrado na terça-feira, com a saída das duas últimas Irmãs Carmelitas, Madalena e Luísa, cujo novo destino é ainda desconhecido.

Desde agosto que o Carmelo do Sagrado Coração de Jesus, em Beja, estava entregue a Madalena e Luísa, depois de Inês ter deixado o convento. As carmelitas viviam em clausura, segundo as regras da Ordem do Carmo.

O processo de encerramento do Carmelo de Beja começou em 12 de julho de 2019, quando a Santa Sé assinou o decreto que tornava definitiva a medida, uma decisão que só foi tornada pública três meses depois pelo bispo de Beja, D. João Marcos. A decisão da Santa Sé foi justificada pela falta de religiosas, tendo o responsável máximo da diocese de Beja justificado que "o mosteiro é uma comunidade e para existir comunidade pelas normas da Santa Sé, têm que haver pelo menos sete pessoas".

No dia 28 de abril de 2019, quando o Carmelo celebrou os 65 anos da sua Restauração, a eucaristia foi presidida pelo vigário da diocese Padre Rui Carriço, uma vez que o D. João Marcos se tinha ausentado para o estrangeiro. Dois meses depois foi conhecida a decisão da Santa Sé de encerrar o convento.

O Carmelo do Sagrado Coração de Jesus foi fundado em abril de 1954 por D. José do Patrocínio Dias, natural da Covilhã, que foi bispo de Beja entre 1922 e 1965, tendo sido uma figura determinante na restauração da diocese. Para refundar o Carmelo vieram de Sevilha seis carmelitas, quatro portuguesas e duas espanholas, entre as quais a Madre Priora.

O anúncio público do encerramento do Carmelo, há três anos, suscitou desde logo uma pergunta em Beja: qual será o destino a dar ao edifício, instalado numa propriedade com cerca de 7700 metros, localizada na principal entrada da cidade, no acesso de e para Lisboa?

O terreno onde foi edificado o Mosteiro foi cedido por um casal de Beja, Maria e Francisco da Cruz Martins, podendo os herdeiros dos doadores vir a pedir a reversão do mesmo, depois do encerramento do espaço.

Relacionadas