Presidenciais

Longas filas para votar em Beja. Presidente da Câmara esperou quase uma hora

Longas filas para votar em Beja. Presidente da Câmara esperou quase uma hora

O sol e os 16 graus centígrados registados este domingo à tarde contrastaram com os três graus da manhã e fizeram toda a diferença na hora de os eleitores exercerem o direito de voto em mobilidade nas Eleições Presidenciais 2021.

À medida que a temperatura subiu, começaram a formar-se longas filas para a votação. Que o diga o presidente da Câmara Municipal de Beja, Paulo Arsénio, que esperou 55 minutos para exercer o direito cívico.

Para o ato eleitoral que se realiza no próximo dia 24 de janeiro, o voto antecipado no concelho de Beja está a decorrer no Edifício Administrativo no Parque de Feiras e Exposições - onde está alojada a Câmara Municipal devido às obras que decorrem nos Paços do Concelho - com 879 eleitores inscritos, divididos por duas mesas de voto.

Na fila, o autarca bejense disse ao JN que "o número de votantes por mesa é muito alto, deviam ser só 250, porque face às medidas de contingência é demorado", lembrando que é a terceira vez que há voto antecipado, depois das Legislativas de 2019 e das Regionais dos Açores. "A adesão ultrapassa todas as expetativas. É uma aprendizagem", rematou.

Quanto questionado sobre se o modelo e a redução de eleitores por mesa deveria ser utilizado nas próximas Eleições Autárquicas, Paulo Arsénio respondeu com duas perguntas: "faz sentido? Não prejudica a campanha e os indecisos?", lembrando que, nessa altura, "existem três boletins de voto com três envelopes, o que fará aumentar o tempo de cada cidadão na votação", justificou.

PUB

Quanto à operação de recolha de voto dos cidadãos em confinamento e em lares, que deverá decorrer na terça e quarta-feira, o autarca considerou ser "um processo complexo e de difícil execução para a autarquia", começando por lembrar que, no limite, "poderão deslocar-se 12 pessoas para recolher cada voto", as três da autarquia, bombeiros, PSP ou GNR e um representante de cada candidatura.

Paulo Arsénio recordou que para ir a uma freguesia rural "teremos que nos deslocar pelo menos em três carros, mas se cada instituição ou candidatura levar uma pessoa, serão nove. É uma romaria para, em alguns casos, recolher um voto", rematou.

Até este sábado, para exercer o seu direito de voto em situação de confinamento, somente 28 cidadãos estavam inscritos, residentes na cidade de Beja e em três freguesias rurais. Quanto aos lares existentes no Município, só um teria feito menção de inscrever 15 idosos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG