Beja

Bombeiro ferido em fogo de Castro Verde com 95% do corpo queimado

Bombeiro ferido em fogo de Castro Verde com 95% do corpo queimado

Cinco bombeiros ficaram feridos, esta segunda-feira, ao final da tarde, na sequência de um incêndio que mobiliza mais de uma centena de homens na região de Castro Verde, no Alentejo. Um deles tem 95% do corpo queimado.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Beja revelou que o alerta para o fogo, de "grandes dimensões", foi dado às 17.07 horas. As chamas começaram em Lagoa da Mó, junto a Entradas, atravessaram o IP2 e progridem para Este, tendo já invadido o Centro de Educação Ambiental do Vale Gonçalinho (CEAVG).

A EN2 foi cortada ao trânsito durante 40 minutos entre Castro Verde e a localidade de Carregueiro, especificou fonte da GNR. O IP2, a estrada R2, que liga a localidade de Entradas e Carregueiro, foi também reaberta. O fogo já passou na Estrada Nacional 123 e dirige-se agora para a localidade de Santa Bárbara de Padrões, perto da Mina de Neves-Corvo.

Fonte da Proteção Civil adiantou à agência Lusa que o número de bombeiros feridos subiu para cinco. Um da corporação de Ferreira do Alentejo e outro de Castro Verde foram assistidos no local. Outros dois feridos, da corporação de Cuba, têm queimaduras de 1.º e 2.º graus e serão transportados para hospitais em Lisboa. O ferido mais grave com 45 anos tem 95% do corpo queimado, o outro bombeiro tem 30 anos e 45% de queimaduras.

O quinto bombeiro ferido da corporação do Alvito foi transportado para o Serviço de Urgência Básica (SUB) do Centro de Saúde de Castro Verde, segundo o comandante dos Bombeiros Voluntários de Castro Verde, Vítor Silva.

Um autotanque dos bombeiros de Castro Verde capotou nas operações de combate ao fogo, mas do acidente não resultaram feridos. O JN sabe que junto ao Monte da Galeguinha, a cerca de dez quilómetros de Castro Verde, estão posicionadas cerca de uma dezena de viaturas dos bombeiros à "espera do fogo" a fim de evitar que o monte, onde se localizam sete casas, seja consumido pelas chamas.

O combate às chamas mobiliza perto de uma centena de operacionais de várias corporações da região, com o auxílio de 28 viaturas e de três meios aéreos. Ao que o JN apurou, as autoridades procuravam um pastor que esteve com o rebanho nas proximidades do fogo. Um agricultor revelou que já "morreram muitas cabeças de gado, de ovelha e vacas" neste incêndio.

Chamas em Abrantes

Também esta segunda-feira à tarde, um grande incêndio florestal deflagrou em Ribeira da Brunhera, concelho de Abrantes. Pelas 22 horas, o fogo estava dominado, adiantou ao JN fonte do CDOS de Santarém, garantindo que nenhuma habitação esteve em risco.