O Jogo ao Vivo

Autarquia

Câmara de Braga admite voltar a expropriar terrenos perdidos

Câmara de Braga admite voltar a expropriar terrenos perdidos

Município recorre de decisão que devolve aos donos as parcelas onde estão bombeiros sapadores e academia do Sporting de Braga

A Câmara de Braga vai recorrer para o Tribunal Central Administrativo do Norte da decisão do Administrativo de Braga que deu razão ao pedido de reversão da expropriação municipal feito pelos donos de duas parcelas de terreno, com 2,8 hectares. O pedido prende-se com o facto de os dois espaços terem sido usados para a construção do quartel dos bombeiros sapadores e para a academia do Sporting de Braga, ou seja, para fins diferentes daqueles para que tinham sido expropriados em 2000: a construção do Parque Norte (zona de lazer anexa ao novo estádio).

O presidente do município, Ricardo Rio (PSD) disse esta segunda-feira, em reunião do Executivo, que se o recurso for rejeitado, os terrenos serão de novo expropriados: "Na altura foram-no pela gestão de Mesquita Machado (PS) a um preço muito bom. Hoje em dia, duvido que valham mais e, se calhar, até valem menos", afirmou. Os proprietários entendem, no entanto, que os terrenos valem 2,8 milhões de euros.

PUB

O assunto foi abordado pelo vereador da oposição, Hugo Pires (PS), o qual lembrou que o PS havia alertado a Câmara, no mandato anterior, para a hipótese de se ter de indemnizar os donos, defendendo então que seria preferível arranjar outro local para a academia.

A vereadora comunista Bárbara Barros disse que a CDU concordou na altura com a utilização da área para aquelas duas estruturas e defendeu que a solução do problema passa agora por um acordo com os proprietários. Criticou ainda os socialistas por terem feito, no mandato 2009/2013, o projeto de construção do quartel no local, e agora virem criticar o Executivo por isso.

Esta tese foi subscrita por Ricardo Rio, lembrando que foi a Proteção Civil, então gerida pelo próprio Hugo Pires, quem fez o projeto, o qual só não se concretizou por não ter havido fundos europeus.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG