Covid-19

Câmara de Braga prevê perda de sete a oito milhões de euros no final da crise

Câmara de Braga prevê perda de sete a oito milhões de euros no final da crise

O Município de Braga estima ter uma quebra de sete a oito milhões de euros no orçamento de 2020 com a crise sanitária do coronavírus.

O autarca Ricardo Rio disse ao JN que o cálculo foi feito com base na quebra de receitas e no aumento da despesa durante três meses: "Até agora já investimos 1,5 milhões na compra de testes e em logística diversa", esclareceu.

A quebra de receitas - salientou - prende-se com a travagem do setor imobiliário, e consequente perda de taxas de urbanização, da não emissão de licenças municipais de diversa índole, bem como dos benefícios dados aos munícipes pelas empresas municipais.

"A Câmara vive um risco de estrangulamento financeiro face à quebra de receita da nossa atividade normal e ao incremento de custos", acentuou, anotando que o problema se vai pôr em muitos outros municípios.

Rio diz que "é de absoluta ligeireza" a afirmação, que corre em alguns círculos bracarenses, de que a Autarquia ficou com meios financeiros abundantes, com a não realização de eventos como o São João e a Braga Romana - onde iria investir 800 mil euros -, lembrando que um dos patrocinadores, a SuperBock, cancelou, naturalmente, um patrocínio de 400 mil euros.

A despesa em curso - sublinhou - cresce não só com o pagamento de testes a utentes e profissionais do setor social, mas também com a compra de equipamento de proteção individual, o reforço da Proteção Civil e a perda de receitas das empresas municipais, como sucede com a dos Transportes Urbanos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG