Exclusivo

Centro da Torrestir em Braga. "Vão pôr um monstro à frente das casas"

Centro da Torrestir em Braga. "Vão pôr um monstro à frente das casas"

Freguesias rurais de Braga e Vila Verde temem avanço de indústrias que lhes roubem o sossego. Municípios prometem cumprir regras ambientais e urbanísticas.

Há 34 anos, Adão Quintela comprou um terreno na freguesia rural de Vilaça, em Braga, para construir uma casa, sair do centro da cidade, e passar "a ter sossego e ar puro". Agora, o morador teme perder isso tudo, devido ao projeto de expansão de uma transportadora, que ali quer construir um centro logístico. Em Vila Verde, a população de Atiães também saiu à rua em protesto, no último mês, porque não quer ver nascer "um parque industrial" que lhe possa roubar o silêncio. Já os municípios garantem que as regras ambientais e urbanísticas serão avaliadas.

"Viemos para a aldeia para tentar melhorar a mente e a saúde. Agora vão pôr um monstro à frente das casas. Mesmo que seja um pavilhão para medicamentos, vai haver refrigeração 24 horas por dia", lamenta Adão Quintela, admitindo que "sempre [imaginou]" que os terrenos vizinhos viriam a ser ocupados por habitação. "Nós gostávamos que viesse para aqui gente nova", acrescenta Rogério Rocha, secretário da Junta de Vilaça, que, recentemente, questionou a decisão do Município, quanto à aprovação do investimento da Torrestir como sendo de "interesse público estratégico" (ler caixa).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG