Braga

Municípios insistem em candidatura a rede de fibra ótica

Municípios insistem em candidatura a rede de fibra ótica

A Associação de Municípios Quadrilátero Urbano vai recandidatar, no próximo Quadro Comunitário de Apoio, uma rede de telecomunicações de nova geração, de 7,5 milhões de euros, recentemente adiada.

Os autarcas dos municípios de Braga, Barcelos, Guimarães e Famalicão dizem que, apesar disso, o balanço é positivo e prometem avançar para resolver o problema da mobilidade inter-regional, investir na economias criativas e tornarem-se "cidades inteligentes".

Inicialmente, o quadrilátero dispunha de 15 milhões para investir, 85% dos quais de fundos comunitários. Mas, o adiamento da construção de uma infra-estrutura de fibra ótica foi um golpe que reduziu a verba para metade: "O concurso era de grande complexidade mas o caderno de encargos estava pronto, quando o Governo resolveu retirá-lo do QREN", lamenta o vice-presidente da Câmara de Braga, Vítor Sousa. O autarca socialista, que ainda tem esperança de que a fibra possa ser integrada no orçamento do QREN, diz que estão, também, em curso estudos na área da mobilidade e considera que as duas acessibilidades, a rodoferroviária e a digital, são fundamentais para a competitividade.

Mobilidade importante

O vice de Famalicão, Paulo Cunha (PSD) insiste no projeto, mas considera que o da mobilidade entre as quatro cidades deve ser priorizado, lembrando que, sem mobilidade, a economia não se desenvolve. Na sua opinião, o Quadrilátero "tem de elaborar um projeto a 20 anos, que passe, em particular, pela ferrovia, utilizando os carris existentes que ligam as quatro urbes".

Para o vice de Barcelos, Domingos Pereira, sem fibra ótica de nova geração, não é possível atrair investimento privado, logo, modernizar a economia e criar emprego: "As reservas do Governo ao concurso não nos fazem desistir", afirma, lembrando que há muitos outros em curso em várias áreas num investimento de sete milhões.

César Teixeira, que representa Guimarães na associação, acredita que, com as correções feitas a pedido da CCDR-Norte, o concurso da fibra ainda pode avançar este ano. Ricardo Rio, do PSD/ Braga, acha que houve "um falhanço na fibra ótica".

Para o próximo Quadro Europeu, os municípios querem, ainda, candidatar projetos para aumentar o empreendedorismo e as indústrias culturais, com reflexos positivos no emprego, e às cidades inteligentes, com o propósito é aumentar a ligação digital dos cidadãos entre si e com os seus municípios e instituições diversas, em áreas como as dos serviços, saúde, cultura e educação.