Braga

Queda de muro junto à Universidade do Minho causa três mortos durante sessão de praxe

Queda de muro junto à Universidade do Minho causa três mortos durante sessão de praxe

Três estudantes universitários morreram e outros quatro ficaram feridos na sequência da derrocada de um muro, esta quarta-feira, junto ao campus de Gualtar, em Braga. A tragédia ocorreu durante uma praxe académica.

Os alunos mortalmente atingidos pelo muro estariam a participar numa atividade praxística, nas imediações do campus de Gualtar - a praxe está proibida dentro do espaço universitário. A Proteção Civil avançou que as vítimas são todas homens com idades entre os 18 e 21 anos e todos a frequentar o curso de Licenciatura em Engenharia Informática (LEI).

Segundo contaram alunos e comerciantes da zona que assistiram, decorria uma "guerra de cursos", com os alunos de Medicina situados num terreno superior e os de Licenciatura em Engenharia Informática (LEI) em baixo. Gritavam palavras de ordem de um curso para o outro, quando os doutores de LEI, alegadamente, ordenaram aos caloiros para subir o muro e "enfrentar" os de Medicina. Foi quando o muro desabou sobre os alunos que permaneciam na parte inferior.

O acidente provocou grande agitação na zona, caracterizada por muitos bares e restaurantes, cujas esplanadas estavam repletas de alunos. Centenas de pessoas juntaram-se para assistir ao socorro das vítimas.

Muitos meios de socorro

"É uma desgraça que deixa toda a comunidade académica consternada. Lamentamos o sucedido e queremos prestar todo o apoio às famílias. Vamos respeitar a dor das famílias", disse Carlos Videira, presidente da Associação Académica da UMinho, lembrando que "as autoridades estão a fazer o seu trabalho".

Ao local acorreram inúmeros meios de socorro, das corporações de bombeiros de Braga, do INEM e da Proteção Civil. A PSP definiu um cordão de segurança que implicou o corte do trânsito na rua Rua Nova de Santa Cruz.

PUB

Para o Hospital de Braga foram transportados quatro alunos, com ligeiras escoriações. "São quatro homens na casa dos 20 anos. Nenhum inspira cuidados de maior", garantiu fonte hospitalar.

Os familiares das vítimas receberam apoio psicológico do técnicos do INEM.

Cerca das 21.30 horas, os bombeiros conseguiram remover o muro e retirar os cadáveres.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG