Gastronomia

Falta de mão de obra revoluciona Festival da Vitela de Fafe

Carlos Rui Abreu

Vitela assada à moda de Fafe

Foto Dr

Certame, que decorre até domingo, abandona tenda gigante e passa a roteiro

A falta de recursos humanos na restauração local provocou a alteração do já tradicional Festival da Vitela Assada à Moda de Fafe, que começou esta quarta-feira e termina no próximo domingo. Depois do interregno provocado pelos dois anos de pandemia, a grande mostra do prato tradicional de Fafe está de regresso mas em moldes diferentes. A tenda gigante onde se concentravam os restaurantes aderentes não vai existir e o modelo será de roteiro. Em dez restaurantes da cidade poderá ser degustado um menu com Vitela Assada à Moda de Fafe, vinho verde e doces regionais por 15 euros.

"Logo na primeira reunião com os proprietários dos restaurantes percebemos que eles não tinham condições para prosseguirmos com o modelo da tenda. São os restaurantes que asseguram o festival, estamos sempre em diálogo aberto com eles e com a confraria e todos percebemos que não daria", explicou Paula Nogueira, vereadora responsável pelo evento. Assim, até ao próximo domingo, o centro da cidade será animado com um conjunto de concertos e exposições, "envolvendo a comunidade, para trazer pessoas a Fafe. Estamos a fazer uma forte comunicação exterior para continuar a promover a joia da coroa da nossa gastronomia", salientou a vereadora.

A alteração do modelo está a criar alguma incógnita no regresso do Festival, que nas edições anteriores arrastou para Fafe milhares de pessoas, mas Paula Nogueira sublinha que "este festival em modo roteiro é o modelo adotado na maioria deste tipo de certames". No final será feita uma avaliação para que no futuro o evento possa ser afinado. "A câmara está disponível para adotar qualquer modelo que vá ao encontro dos interesses dos restaurantes e da promoção da Vitela Assada", concluiu a vereadora.