Ambiente

Pedreira diz que derramar pó no rio Ave "é normal"

Pedreira diz que derramar pó no rio Ave "é normal"

A empresa responsável pelo pó de pedra que na quarta-feira foi parar ao rio Ave disse que o derrame nesta altura do ano "é normal" devido à água das primeiras chuvas.

Ontem, os moradores das freguesias de Donim e Gondomar denunciaram que o rio corria branco e que uma grande descarga de pó de pedra tinha sido feita durante a madrugada. O JN seguiu o curso de poluição inverso, desde o confronto com o rio até à origem, e facilmente se percebia que a origem estava na pedreira Superinertes, de Gondomar.

António Lopes, dono da pedreira, confirmou ao JN que o pó de pedra veio dali mas considerou a situação "normal". O responsável explicou que "foi a água das primeiras chuvas" que limpou as estradas da pedreira atingiu a lagoa de retenção, o que "criou arrastamento" até ao rio.

Como o curso de água vai com o caudal baixo, acrescenta António Lopes, "qualquer coisinha de nada suja logo". Questionado sobre se todos os inícios de Inverno este fenómeno vai acontecer, o responsável assume que "é possível que sim" e que "é natural que isso aconteça".

Ontem de manhã, o Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR esteve no local e recolheu provas da descarga. O JN sabe que foi levantado um auto de notícia que foi prontamente enviado para a Agência Portuguesa do Ambiente. É a esta entidade que cabe aplicar a multa ou processo criminal, sempre que haja evidências para isso.

A Superinertes é uma das empresas com histórico de descargas poluentes no Ave. O JN sabe que há pelo menos dois processos relativos a esta empresa na Agência Portuguesa do Ambiente, relativos a 2014 e 2015. A empresa foi fiscalizada em setembro do ano passado pela Direção-Geral de Energia e Geologia do Norte, Câmara de Guimarães, GNR, Agência Portuguesa do Ambiente e a Administração Regional de Saúde.

Da fiscalização resultou um "ultimato" onde foram dados 30 dias para corrigir anomalias sob pena de encerramento de atividade. A empresa nunca encerrou e argumentou ter corrigido as anomalias.