Ambiente

IP acusada de abater árvores sem necessidade em Vila Verde

JN/Agências

Quercus mostra árvores alegadamente cortadas pela IP|

 foto Quercus

Quercus mostra árvores alegadamente cortadas pela IP|

 foto Quercus

Quercus fala em dezenas de carvalhos e ciprestes. Infraestruturas de Portugal refere 18 por segurança

A Quercus acusou esta sexta-feira a Infraestruturas de Portugal (IP) do corte "manifestamente desnecessário" de "dezenas de árvores" junto da EN-101, no concelho de Vila Verde, a propósito da obra de requalificação daquela via.

Contactada pela Lusa, a IP disse que o abate de 18 árvores se tornou "absolutamente necessário" para a definição dos novos alinhamentos dos novos dispositivos de segurança e de retenção.

"Tal como acontece nas intervenções em que a IP tem de proceder ao abate de árvores, as que foram abatidas serão substituídas por espécies idênticas", acrescenta a empresa.

A associação ambientalista Quercus fala em dezenas de carvalhos-alvarinhos e ciprestes-do-Buçaco, que estarão a ser abatidos junto da EN-101, no troço entre Vila Verde e o limite do concelho com Ponte da Barca.

"Atualmente, a intervenção encontra-se na zona da Portela de Vade, existindo centenas de árvores de grande porte em bom estado vegetativo, algumas das quais estão a ser cortadas, sem que fosse manifestamente necessário", sublinha.

A Quercus diz que a maioria das árvores foi plantada pela antiga Junta Autónoma das Estradas em meados do século passado, "por motivos paisagísticos, de ensombramento do pavimento e de amenização do clima, entre outros".

"A EN-101 é uma das estradas nacionais do Minho com melhor enquadramento paisagístico devido a estas árvores e à floresta envolvente, o que poderia justificar a sua classificação como Estrada Património", acrescenta a associação.

A IP reitera que o abate foi "absolutamente necessário" para garantir as distâncias de segurança mínimas aos dispositivos de segurança e de retenção exigidos nos regulamentos e normas em vigor. "Acresce que as referidas árvores, ao longo do seu crescimento, foram interferindo com as barreiras de retenção colocadas neste troço", adianta.

A requalificação da EN-101, numa extensão de cerca de 20,4 quilómetros, tem intervenções ao nível do pavimento, da drenagem, dos equipamentos de sinalização e segurança, da reformulação de intersecções e do tratamento de travessias urbanas.